PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
A revalidação da certificação médica obtida no exterior, por Luiz Alberto Bacheschi


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Expedicionários da Saúde: heróis anônimos à frente do terremoto no Haiti


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
O reconhecimento pelos 50 anos dedicados integralmente à prática da Medicina


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Já estão programados novos encontros entre os presidentes dos CRMs e a diretoria do CFM


ÉTICA & JUSTIÇA (JC pág. 6)
A publicidade médica e a atuação das Comissões de Divulgação de Assuntos Médicos


LEGISLAÇÃO (JC pág. 7)
Cartões de descontos e a Resolução do Conselho Federal de Medicina nº 1.939


ESPECIAL (JC pág, 10)
Levantamento realizado pelo Cremesp mostra a distribuição dos médicos no Estado


ARTIGO (JC pág. 10)
A emissão de receitas médicas e a prescrição de medicamentos controlados


ICESP (JC pág. 11)
Instituto do Câncer: priorização dos pacientes conforme os recursos clínicos de última geração


GERAL (JC pág. 12)
Acompanhe a agenda de cursos e eventos em diversas especialidades


CFM (JC pág. 13)
Coluna dos representantes do Estado no Conselho Federal de Medicina


ALERTA ÉTICO (JC pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


PRESIDÊNCIA (JC pág. 15)
Confira a participação do Cremesp em eventos relevantes para a classe


ESPECIALIDADE (JC pág. 16)
Uma pausa para conhecer a Câmara Técnica Interdisciplinar de Bioética e o Centro de Bioética do Cremesp


GALERIA DE FOTOS



Edição 268 - 03/2010

ALERTA ÉTICO (JC pág. 14)

Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação



Aborto e Ética

1) Como a equipe de saúde deve se comportar frente à grávida como resultado de estupro, que procura assistência para submeter-se ao aborto?
A modalidade de aborto correspondente a esses casos é conhecida como sentimental, humanitária ou ética. De acordo com o Código Penal, “não se pune o aborto praticado por médico, se a gravidez resulta de estupro e o aborto é precedido de consentimento da gestante ou, quando incapaz, de seu representante legal.”

Mais do que previsão legal, se a gravidez for indesejada o aborto pós-estupro é um direito da mulher, garantido pelas normas internacionais de direitos humanos, pela Constituição Federal e, especificamente, pela legislação penal.

Como é considerado lícito, não há obrigatoriedade de autorização judicial, boletim de ocorrência policial ou laudo de exame de corpo de delito do Instituto Médico-Legal (IML).
O Caderno da série sobre Direitos sexuais e Reprodutivos, de 2005, do Ministério da Saúde, lembra que se o nosso sistema jurídico permite a prática do abortamento ético, seria “inconcebível obrigá-la a suportar os riscos de um abortamento clandestino, marginal e inseguro, praticado sem as necessárias e imprescindíveis condições técnicas, em local inadequado, sem higiene, sem assistência psicológica, sem acompanhamento profissional e sem qualquer respeito à sua dignidade e à sua condição humana”.
 
E se a mulher promover uma falsa alegação de estupro?
Se faltar com a verdade, conseguir burlar todas as cautelas procedimentais do serviço e enganar o médico, não há como falar em punição criminal nem ao médico nem a outros profissionais que participaram da prática. Se for verificada posteriormente a inverdade, é a gestante quem responderá criminalmente.

Dúvidas jurídicas esclarecidas, resta saber se o médico, ao realizar o aborto previsto em lei, comete algum ilícito ético. Como acontece quando atende qualquer paciente, o médico deve promover anamnese, exame físico e eventuais exames complementares necessários, estabelecendo relação de confiança com a paciente, esclarecendo-a de riscos e benefícios do procedimento, informando-a das alternativas existentes, como a possibilidade de levar a gestação a termo e anotando no prontuário as informações procedentes de maneira clara.
 
Deve orientar-se pelos dispositivos presentes no Código de Ética Médica, entre os quais o que esclarece ser seu direito “indicar o procedimento adequado ao paciente, observadas as práticas cientificamente reconhecidas e respeitada a legislação vigente” e o que proíbe “revelar o fato de que tenha conhecimento em virtude do exercício de sua profissão, salvo por motivo justo, dever legal ou consentimento, por escrito, do paciente”.

Finalmente, mas não menos importante, ressaltamos que nenhum médico será obrigado a realizar qualquer procedimento que se oponha aos ditames de sua consciência e aos seus princípios – religiosos ou não – mesmo nestas trágicas circunstâncias.
Baseado no parecer consulta nº 135.840/08, do Cremesp

2) A polícia deve ser avisada sobre menor que tenta provocar o aborto?
Analisando o teor da consulta, verificamos que, embora a paciente tenha chegado ao hospital após ingerir droga abortiva, não há que se falar em crime de aborto: para que tal ocorra é necessário que o feto morra ainda no ventre materno. Se nascer com vida, ainda que por poucos minutos, o crime será de tentativa de aborto.

O  médico que atendeu a paciente não pode levar os fatos ao conhecimento da autoridade policial, pois estaria infringindo o segredo médico, independente de se tratar de paciente menor. Revelar o segredo sem a justa causa ou dever legal, causando dano ao pa¬ciente, além de antiético é crime.

Entendemos que não deve partir do médico que atendeu a paciente, bem como do hospital, a iniciativa de levar os fatos à polícia. Sendo a paciente menor, a instituição deve convocar seus responsáveis, para que os mesmos tomem as medidas cabíveis para a garantia e a preservação da saúde da menina.

Baseado no Parecer nº 16.815/01, do Cremesp

* Alerta Ético corresponde a resumos de questões publicadas na coluna FAQs, disponível no site do Centro de Bioética. Ambos se originam em pareceres e resoluções do Cremesp e CFM.


Este conteúdo teve 328 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 96 usuários on-line - 328
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior