PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
Estudo inédito do Cremesp avalia a relação médico-indústria


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Mauricio Ceschin, presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Atualização profissional do Cremesp chega aos médicos do interior do Estado


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Obra coordenada pelo conselheiro Eurípedes Carvalho avalia as carências do setor


POLÍTICAS DE SAÚDE (JC pág. 6)
Na pauta das discussões do evento, a valorização do trabalho médico


ATIVIDADES 3 (JC pág. 7)
Cremesp aprimora sua estrutura de serviços à população e aos médicos do Estado


PESQUISA (JC pág. 8)
Acompanhe íntegra do estudo do Cremesp, com resultados e conclusões


GERAL 1 (JC pág. 10)
Federação Ibero Latinoamericana de Cirurgia Plástica tem novo presidente


GERAL 2 (JC pág. 11)
Número de usuários de crack no Estado cresce em ritmo alarmante


CFM (JC pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


GERAL 3 (JC pág. 13)
Em agosto, o encontro de especialistas em hepatologia acontece dia 3


GERAL 4 (JC pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


ESPECIALIDADES (JC pág. 16)
SBCP-SP reúne atualmente mais de 1.700 médicos da especialidade


GALERIA DE FOTOS



Edição 271 - 06/2010

PESQUISA (JC pág. 8)

Acompanhe íntegra do estudo do Cremesp, com resultados e conclusões


Relação médico-indústria
é avaliada pelo Conselho

Para avaliar a relação existente entre médicos atuantes no Estado de São Paulo e a indústria, o Cremesp realizou uma pesquisa inédita junto a esses profissionais. A iniciativa faz parte de um projeto mais amplo do Conselho, que visa aprofundar o debate sobre a necessidade de mais transparência, de maior divulgação do atual Código de Ética Médica e, eventualmente, de aprimoramento da regulação das relações entre os médicos e as empresas que fabricam e comercializam medicamentos, órteses, próteses e equipamentos médico-hospitalares. “Esse é um projeto de fôlego do Cremesp, e o que está sendo divulgado agora representa apenas uma etapa inicial da análise”, afirmou o conselheiro Bráulio Luna Filho, coordenador do trabalho.

Segundo Luna Filho, discussões sobre conflitos de interesses existentes entre médicos e a indústria vêm tomando fôlego no mundo inteiro, mas no Brasil ainda não se apuraram efetivamente os fatos. “Em razão disso, o Conselho ainda não tem posição firmada sobre o que pode e deve ser feito. Para tanto, precisamos saber exatamente como se dá essa relação, e essa pesquisa já traz alguns resultados parciais importantes”, declarou.

De acordo com a conselheira Ieda Terezinha Verreschi, os resultados dessa pesquisa ainda são parciais. “Quando concluído, esse trabalho vai permitir definir a posição do Conselho frente a questão. Essa é somente a ponta do iceberg”, comentou.

O coordenador esclareceu que paralelamente a essa pesquisa, está em andamento uma análise qualitativa, com foco nas especialidades que apresentam maior interação com a indústria. “Queremos conhecer o modus operandi desse relacionamento. A partir das conclusões obtidas em São Paulo – que concentra 1/3 da categoria médica do país e sofre a maior influência da indústria – vamos convidar médicos de todo o país, representantes da indústria, hospitais e outros Conselhos para participar dessa discussão em um seminário nacional”, informou Luna Filho.

A pesquisa
Os dados levantados pelo Cremesp se referem ao comportamento médico frente à indústria de medicamentos, órteses, próteses e equipamentos médico-hospitalares. Realizada pelo Instituto Datafolha, a pesquisa quantitativa utilizou questionário estruturado, aplicado por telefone a uma amostra probabilística de 600 médicos de diversas especialidades. O trabalho de campo foi realizado pelo Datafolha Instituto de Pesquisas, entre dezembro de 2009 e janeiro de 2010.

A maioria dos médicos entrevistados é do sexo masculino (60%), tem entre 41 e 60 anos (60%), reside e atua na região metropolitana (59%), sendo 49% na capital. Com nível de confiança de 95%, a pesquisa é representativa do universo de cerca de 100.000 médicos que atuam no Estado de São Paulo.

Veja AQUI o estudo completo.

O que diz a legislação sobre a relação médico-indústria

Código de Ética Médica
Em vigor desde 13 de abril de 2010, o novo Código de Ética Médica dispõe sobre a necessidade da relação ética e da eliminação de conflitos de interesse entre profissionais e empresas de produtos de prescrição médica. É vedado ao médico:

Art. 68. Exercer a profissão com interação ou dependência de farmácia, indústria farmacêutica, óptica ou qualquer organização destinada à fabricação, manipulação, promoção ou comercialização de produtos de prescrição médica, qualquer que seja sua natureza.
Art. 69. Exercer simultaneamente a Medicina e a Farmácia ou obter vantagem pelo encaminhamento de procedimentos, pela comercia¬lização de medicamentos, órteses, próteses ou implantes de qualquer natureza, cuja compra decorra de influência direta em virtude de sua atividade profissional.
Art. 104. Deixar de manter independência profissional e científica em relação a financiadores de pesquisa médica, satisfazendo interesse comercial ou obtendo vantagens pessoais.
Art. 109. Deixar de zelar, quando docente ou autor de publicações científicas, pela veracidade, clareza e imparcialidade das informações apresentadas, bem como deixar de declarar relações com a indústria de medicamentos, órteses, próteses, equipamentos, implantes de qualquer natureza e outras que possam configurar conflitos de interesses, ainda que em potencial.

Resoluções CFM
Resolução CFM nº 1.939/2010
Publicada em 2010, a Resolução 1939 do Conselho Federal de Medicina proíbe a participação dos médicos em qualquer espécie de promoção relacionada com o fornecimento de cupons ou cartões de descontos aos pacientes, para a aquisição de medicamentos. A Resolução visou coibir a prática de fidelização de médicos às marcas de determinados medicamentos, em troca de vantagens oferecidas pelos fabricantes e comerciantes.

Resolução CFM nº 1701/2003
A Resolução Nº. 1701/2003 do Conselho Federal de Medicina estabeleceu critérios norteadores da publicidade médica, proibindo, por exemplo, a participação de médicos em anúncios de empresas e produtos ligados à Medicina, a autopromoção e o sensacionalismo, mas não aprofundou aspectos da relação dos médicos com a indústria de medicamentos, órteses, próteses e equipamentos médico-hospitalares. 

Resolução CFM nº 1.595/2000
A Resolução nº 1.595 do Conselho Federal de Medicina, de 2000, que teve seu teor incorporado do novo Código de Ética Médica, já proibia a vinculação da prescrição médica ao recebimento de vantagens materiais oferecidas por agentes econômicos interessados na produção ou comercialização de produtos farmacêuticos e de equipamentos de uso na área médica.

Anvisa
Resolução (RDC) Anvisa nº 96
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou em 2008 a Resolução de Diretoria Colegiada (RDC) nº 96 que aborda, porém tímida e pontualmente, alguns dos conflitos éticos entre médicos e indústria. Por exemplo, afirma que o apoio ou patrocínio aos médicos para participação em eventos científicos, nacionais ou internacionais, não deve estar condicionado à prescrição de medicamentos. Por sua vez, os propagandistas que visitam consultórios e unidades de saúde devem, segundo a Anvisa, limitar-se às informações científicas e características do medicamento. Na mesma Resolução, os médicos palestrantes de sessão científica que tenham relações com laboratórios farmacêuticos devem informar potencial conflito de interesse aos organizadores dos congressos, com a devida indicação na programação oficial do evento e no início da palestra.


Este conteúdo teve 63 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 168 usuários on-line - 63
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior