PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
Estudo inédito do Cremesp avalia a relação médico-indústria


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Mauricio Ceschin, presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Atualização profissional do Cremesp chega aos médicos do interior do Estado


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Obra coordenada pelo conselheiro Eurípedes Carvalho avalia as carências do setor


POLÍTICAS DE SAÚDE (JC pág. 6)
Na pauta das discussões do evento, a valorização do trabalho médico


ATIVIDADES 3 (JC pág. 7)
Cremesp aprimora sua estrutura de serviços à população e aos médicos do Estado


PESQUISA (JC pág. 8)
Acompanhe íntegra do estudo do Cremesp, com resultados e conclusões


GERAL 1 (JC pág. 10)
Federação Ibero Latinoamericana de Cirurgia Plástica tem novo presidente


GERAL 2 (JC pág. 11)
Número de usuários de crack no Estado cresce em ritmo alarmante


CFM (JC pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


GERAL 3 (JC pág. 13)
Em agosto, o encontro de especialistas em hepatologia acontece dia 3


GERAL 4 (JC pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


ESPECIALIDADES (JC pág. 16)
SBCP-SP reúne atualmente mais de 1.700 médicos da especialidade


GALERIA DE FOTOS



Edição 271 - 06/2010

GERAL 2 (JC pág. 11)

Número de usuários de crack no Estado cresce em ritmo alarmante


Encontro com Uniad e Cebrid aborda epidemia de crack no Estado


Mauro Aranha: necessidade de políticas públicas em prol do usuário de crack

A epidemiologia do uso das drogas ilícitas e suas consequências sociais foi tema de debate entre as Câmaras Técnicas de Saúde Mental e de Políticas Públicas do Cremesp, durante plenária temática realizada na sede deste Conselho, no dia 28 de maio. O encontro também contou com a participação de Ronaldo Ramos Laranjeira, diretor da Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas (Uniad) da Universidade Federal de São Paulo, e de Solange Nappo, pesquisadora do Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid).

Com a presença dos coordenadores das Câmaras Técnicas envolvidas no tema, Mauro Gomes Aranha de Lima (Saúde Mental) e Eurípedes Balsanufo Carvalho (Políticas de Saúde), foram discutidos critérios que podem auxiliar o Cremesp no atendimento às demandas de políticas públicas relacionadas à epidemia de crack, cujo crescimento no Estado de São Paulo tem se tornado alarmante nos últimos 15 anos.

Tanto a Câmara Técnica de Saúde Mental quanto a de Políticas de Saúde julgam que deve haver um acordo entre as políticas públicas concorrentes – mas não contraditórias entre si –, que esteja acima de governos, para a solução, real e eficaz, do problema.

Laranjeira, que também integra a Câmara Técnica de Saúde Mental da Casa, sugeriu três modelos já avaliados pontualmente no Estado – associados ao tratamento dos dependentes, a partir de dados de pesquisa quantitativa sobre os usuários de crack. Por outro lado, Solange apresentou uma visão antropológica e qualitativa para a epidemia, estabelecendo a representação mental que os usuários de crack concebem de sua própria condição de dependência, nas várias fases do envolvimento com a droga. Esta visão fornece informações importantes que podem auxiliar na prevenção das complicações inerentes ao consumo da droga.

Para Mauro Aranha, frente a gravidade do problema e a inoperância do serviço público em combatê-lo a contento, “se faz necessário que os atores envolvidos com políticas públicas tenham maior disponibilidade para agir em prol do principal interessado na causa: o usuário de crack”, declarou.


NOVA DIRETORIA DO CONED
quer interdisciplinaridade
na ação antidrogas


Posse da nova diretoria do Coned: esforço integrado contra as drogas

A regulamentação das comunidades terapêuticas, observatório sobre drogas e proposições para políticas públicas contra a epidemia do crack estão entre as primeiras diretrizes a ser discutidas pela nova diretoria do Conselho Estadual sobre Drogas (Coned), da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania, que tomou posse no dia 27 de maio para a gestão 2010/2012.

Tendo na presidência Mauro Aranha, diretor 1º secretário do Cremesp, o Coned é integrado por representantes de diversas instituições ligadas à saúde, educação, direito, governo, órgãos de classe e sociedade.

“O Coned representa um esforço integrado e multidisciplinar de experientes profissionais e representantes de entidades para que essa ação de alto interesse contra as drogas avance”, afirmou Gustavo Ungaro, secretário adjunto da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo, ao dar posse à nova diretoria, na sede da entidade. Ele ressaltou que a Secretaria dará apoio às diretrizes criadas pelos especialistas do Coned, que já foram recebidos em audiência por ele e pelo titular da pasta.

Para Mauro Aranha, a política antidrogas extrapola a questão da saúde, do judiciário e da sociedade. “A cada ação que implementarmos, aproveitaremos o diálogo interdisciplinar. Não acredito que possa haver avanços nessa área com posições polarizadas”, assinalou.
O Coned tem como missão propor a política estadual sobre drogas, compatibilizando-a com o Sistema Nacional de Prevenção, e estimular pesquisas visando o aperfeiçoamento técnico-científico da questão do uso e tráfico de drogas e de substâncias que causam dependência física ou psíquica, assim como coordenar programas de prevenção.


Simpósio propõe humanização do atendimento hospitalar


Reinaldo Ayer (à esq.) e Luiz Alberto Bacheschi (ao microfone) estiveram presentes à mesa de abertura do encontro

O Cremesp, o Comitê de Bioética do Hospital do Coração (HCor) e a Sociedade de Bioética de São Paulo promoveram, no dia 22 de maio, mais um encontro sobre Bioética Hospitalar para discutir a qualidade do atendimento prestado a pacientes internados. Na ocasião, palestrantes puderam refletir e discutir, juntamente com a plateia, temas relacionados à humanização do atendimento hospitalar, que inclui atenção a pacientes e familiares durante a internação hospitalar, entre eles, cuidados paliativos, terminalidade da vida, espiritualidade, entre outros.

Luiz Alberto Bacheschi, presidente do Cremesp, esteve à frente da apresentação do conteúdo do simpósio, juntamente com Adib Domingos Jatene, diretor geral do HCor, e do conselheiro Reinaldo Ayer de Oliveira, presidente da Sociedade de Bioética de São Paulo.

Entre os palestrantes, a presença de William Saad Hossne, que abordou o tema Bioética e HumanizaçãoIvo Lichtenfels, que ministrou aula sobre A Espiritualidade na Atenção Hospitalar; Grazia M. Guerra, com o tema Elegibilidade para Cuidados Paliativos, e Gabriel Wolf Oselka, com a palestra sobre Terminalidade de Vida.


Este conteúdo teve 622 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 360 usuários on-line - 622
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior