PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
Estudo inédito do Cremesp avalia a relação médico-indústria


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Mauricio Ceschin, presidente da Agência Nacional de Saúde Suplementar


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Atualização profissional do Cremesp chega aos médicos do interior do Estado


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Obra coordenada pelo conselheiro Eurípedes Carvalho avalia as carências do setor


POLÍTICAS DE SAÚDE (JC pág. 6)
Na pauta das discussões do evento, a valorização do trabalho médico


ATIVIDADES 3 (JC pág. 7)
Cremesp aprimora sua estrutura de serviços à população e aos médicos do Estado


PESQUISA (JC pág. 8)
Acompanhe íntegra do estudo do Cremesp, com resultados e conclusões


GERAL 1 (JC pág. 10)
Federação Ibero Latinoamericana de Cirurgia Plástica tem novo presidente


GERAL 2 (JC pág. 11)
Número de usuários de crack no Estado cresce em ritmo alarmante


CFM (JC pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


GERAL 3 (JC pág. 13)
Em agosto, o encontro de especialistas em hepatologia acontece dia 3


GERAL 4 (JC pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


ESPECIALIDADES (JC pág. 16)
SBCP-SP reúne atualmente mais de 1.700 médicos da especialidade


GALERIA DE FOTOS



Edição 271 - 06/2010

CFM (JC pág. 12)

Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


De olho em Brasília


Desiré Carlos Callegari
e-mail:
desireimprensa@cfm.org.br

A atenção dos médicos do país se voltará para Brasília, no fim de julho. Entre os dias 28 e 30 daquele mês, acontece o XII Encontro Nacional de Entidades Médicas (Enem), que reunirá na capital brasileira cerca de 500 representantes de Conselhos de Medicina, associações, sociedades e sindicatos médicos de todos os Estados. Na pauta, projetos e propostas que garantem a revalorização da nossa profissão e a melhora da assistência em saúde. O amplo leque de temas inclui ensino médico, qualificação profissional, condições de trabalho e recuperação de perdas nos honorários, entre tantos outros.

Trata-se de um fórum político estratégico para a Medicina e a Saúde, neste ano marcado pela corrida eleitoral. O resultado das discussões, que prometem ser acaloradas e indicadoras dos rumos que o movimento médico adotará, constará em documento que será entregue aos candidatos à Presidência da República e aos governos de Estado. Para as entidades médicas nacionais – Conselho Federal de Medicina (CFM), Associação Médica Brasileira (AMB) e Federação Nacional dos Médicos (Fenam) - será o espaço para apresentar à sociedade as preocupações da nossa categoria com relação à assistência, seja dentro do Sistema Único de Saúde (SUS) ou pelas operadoras e planos de saúde.
Mas não ficaremos apenas no diagnóstico, já que as propostas de soluções também serão discutidas. Certamente, reforçaremos nossa preocupação com a garantia de uma fonte de financiamento suficiente para o Sistema Único de Saúde (SUS), com a regulamentação da Emenda Constitucional 29, que há anos aguarda um posicionamento final do Congresso Nacional.

Também consideramos fundamental dar atenção ao médico, com a implementação de uma política de recursos humanos que reconheça a competência e a dedicação com salários adequados. Enfim, temos de assegurar acesso à assistência de qualidade mesmo nos pequenos municípios, com a presença de médicos e de uma rede de ambulatórios e hospitais que tornem possível fazer o diagnóstico e o tratamento dos pacientes. Para tanto, merece a atenção dos gestores e da sociedade a proposta de criação de uma carreira de Estado para o médico.

Há que se reconhecer que a interiorização da Medicina ainda é um desafio a ser superado. Com a criação de uma carreira de Estado para os médicos, em modelo semelhante ao adotado pelo Poder Judiciário e pelo Ministério Público, seria assegurada a presença desse profissional em todos os cantos do país. A proposta prevê salários compatíveis com as exigências do trabalho, acesso a programas de formação médica continuada, infraestrutura de trabalho (instalações e equipamentos) e uma rede integrada capaz de absorver os casos mais graves. Tudo que faz a diferença na fixação do profissional nessas áreas.

No XII Enem, teremos chances de tocar nestes temas e levantar nossas propostas para os candidatos que se apresentam. É um processo democrático e de ampla participação que brindará o país com um produto sólido e coerente do ponto de vista social e político. Não limitaremos nossas ações a este fórum, mas ele será o trampolim para confirmar a todos o nosso compromisso com o país.

Carreira de Estado, urgente!


Renato Françoso Filho

Cresce a convicção de que o médico, quando no serviço público, deve ter carreira regulamentada, sendo essencial esta atividade de Estado. Significa dizer que, a partir da aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 454/09, de autoria dos deputados Eleuses Paiva e Ronaldo Caiado, o médico que desejar trabalhar no serviço público deverá realizar concurso. E terá o benefício da progressão na carreira, com salários compatíveis à sua formação profissional. Ademais – e aí a importância do tema –, o médico poderá ser designado para trabalhar em municípios onde há carência de assistência, obtendo promoções até o ápice da carreira.

Neste momento, não devemos discutir os aspectos formais da PEC, a operacionalidade do sistema, como se darão as progressões. Nem permitir que se contamine este tema com ideologias que podem confundir o objetivo primordial da proposta. Nem admitir mani¬queísmos retrógrados e ultrapassados, antepondo público versus privado. O que está posta é uma antiga e cada vez mais atual necessidade de que seja criada uma carreira de médico para servir ao sistema público.

A Constituição de 1988, em seu artigo 196, afirma que “saúde é dever do Estado”. O problema é que não existe “saúde sem médico” e não foi criada a respectiva carreira pública para dar vida à ordem constitucional. Criou-se o SUS, e ninguém lembrou-se de que suas ações implicariam a necessária e insubstituível contratação de médicos, sem os quais não há consultas, tratamentos, cirurgias, exames. 

Mas para que se preocupar se os médicos primeiro trabalham e só depois atentam se vão receber, quanto e de que modo? Assim age a maioria dos médicos. São trabalhadores mal pagos e que, graças ao seu denodo e dedicação, viabilizam o que existe de bom no SUS. Não fossem estes, o SUS jamais teria a importância que tem para a parcela mais humilde da população, que nem imagina o que seja saúde suplementar. Esse público precisa do médico que atende nos postos de saúde, nos prontos-socorros, nos ambulatórios e nos PSF, para que tenham um mínimo de cuidado para si e seus familiares.

Ninguém consegue entender por que juízes, promotores, auditores fiscais, diplomatas e até policiais federais são muito mais bem remunerados do que nós, médicos. Se temos o mais longo período de formação depois do mais concorrido vestibular, se a faculdade particular é a mais cara de todas, se é atividade de alto risco, se há necessidade imperiosa de atualização, carga de trabalho diuturna, cobrança social desmedida, por que não somos pagos com o mínimo de respeito no serviço público? (Isto para não falarmos da medicina suplementar).

A carreira de Estado precisa ser incorporada pelo ordenamento jurídico desta Nação. Esta injustiça deve ser corrigida sob pena de condenarmos a profissão médica a ser exercida por medíocres. As melhores mentes também necessitam ser alimentadas e pagar suas contas no final do mês. A profissão de médico não precisa tornar ninguém rico, mas pelo menos, ser reconhecida com pagamento justo. Os cidadãos de locais mais distantes e pobres também devem ser cuidados por médicos motivados e com perspectiva de crescer na carreira que escolheram. E este é um dever do Estado!

*Desiré Carlos Callegari (titular) e Renato Françoso Filho (suplente) são representantes do Estado de São Paulo no Conselho Federal de Medicina


Este conteúdo teve 60 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 183 usuários on-line - 60
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior