PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (JC pág. 2)
Para Bacheschi, no haverá sistema de saúde sem recursos suficientes e sem que os médicos sejam tratados com dignidade


ENTREVISTA (JC pág. 3)
Haino Burmester fala sobre a 2ª edição do Manual de Gestão Hospitalar, do qual foi organizador


ATIVIDADES 1 (JC pág. 4)
Encontro buscou maior alinhamento dos objetivos internos da instituição


ATIVIDADES 2 (JC pág. 5)
Exame Cremesp 2010: inscrições podem ser feitas presencialmente ou pela internet


ATIVIDADES 3 (JC pág. 5)
Alimentos transgênicos: segurança e consumo na visão de um especialista no assunto


ATIVIDADES 4 (JC pág. 7)
Encontros sobre Bioética Hospitalar reúnem público recorde na capital e no interior


XII ENEM (JC págs. 8 e 9)
Representantes médicos de todo o país unidos pela qualidade na saúde


ARTIGO (JC pág. 10)
A missão, função e compromissos dos médicos conselheiros


GERAL 1 (JC pág. 11)
A substituição do papel no preenchimento do prontuário médico


CFM (JC pág. 12)
Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


GERAL 2 (JC pág. 13)
Acompanhe a participação do Cremesp em eventos importantes para a classe


ALERTA ÉTICO (JC pág. 14)
Análises do Cremesp ajudam a prevenir falhas éticas causadas pela desinformação


GALERIA DE FOTOS



Edição 272 - 07/2010

CFM (JC pág. 12)

Representantes do Estado no CFM se dirigem aos médicos e à sociedade


É preciso cautela com a publicidade médica


Desiré Carlos Callegari

e-mail: desireimprensa@cfm.org.br


A versão atualizada, revista e amplia¬da do Código de Ética Médica dedica a íntegra de um de seus 13 capítulos ao estabelecimento de diretrizes claras e objetivas para a publicidade dos assuntos médicos. As orientações colocam em destaque o dever de compromisso do profissional com a discrição e com o respeito à intimidade e à privacidade de seus pacientes. Todo o cuidado foi tomado para evitar os excessos praticados por aqueles que buscam a conquista de novos mercados e, para tanto, incorrem em deslizes que quebram vínculos de confiança e colocam em dúvida a seriedade do trabalho realizado.

Mas, qual a postura que o médico deve efetivamente adotar diante de tema tão sutil? Evidentemente, não se podem ignorar as nuances envolvidas, até porque, muitas vezes o profissional pode – inadvertidamente – ser colocado em situação vulnerável pelo simples desconhecimento de outras categorias (sobretudo, publicitários e jornalistas) sobre as regras às quais ele – médico – deve estar submetido. Assim, para se livrar dessa armadilha, a melhor solução é conhecer as regras do jogo, estudá-las a fundo e utilizá-las para orientar a prática cotidiana.

Uma recomendação importante é, antes de tudo, evitar tratar a prática médica como uma atividade comercial. Não o é. Ponto. A medicina é um ofício que agrega conhecimento científico, apuro técnico e compromisso moral e social para com o próximo e a sociedade.
Trata-se de uma profissão ancorada em um arcabouço ético que impossibilita transformá-la em simples venda de produtos e serviços. A missão do médico é dignificar a vida e o ser humano. É incompatível com essa visão de mundo práticas agressivas de propaganda ou pior, a oferta de ilusões e promessas descoladas do mundo real.

Outra preocupação expressa por meio do Código de Ética é com a abordagem sensacionalista da medicina pela mídia. Ao receber convites para comentar, em veículos de comunicação, estudos científicos, comportamentos e estatísticas, por exemplo, o médico deve se pautar pelo equilíbrio, sempre avaliando o impacto das suas declarações. Se uma opinião for expressa, ela deve ser unicamente esclarecedora.

O motivo de tanta ênfase está em números que, infelizmente, insistem em fazer parte de nossas estatísticas. O descumprimento das normas existentes – Código de Ética Médica e outras resoluções - pode levar o infrator a responder processos ético-profissionais sujeitos à aplicação de sanções que vão de advertência privada a cassação – previstas na lei 3.268/57. Por isso, os médicos devem ficar atentos à necessidade de que todos os anúncios estejam de acordo com as prescrições das normas vigentes.

Um levantamento realizado pelo Cremesp dá a dimensão do problema. Os números atestam que somente em 2007 a penalidade de censura pública em publicação oficial foi aplicada 19 vezes a médicos do Estado em razão de irregularidades em peças publicitárias. No mesmo perío¬do, a suspensão do exercício profissional foi aplicada duas vezes, sendo que, por duas vezes, em 2006, houve decisão pela penalidade mais severa – cassação.

A lição está posta. Cabe a todos nós estarmos atentos a ela. Sem dúvida, vivemos um momento no qual a sociedade nos acompanha atentamente, portanto, sejamos exemplares em nossa conduta. O ganho será de todos se observarmos as diretrizes de divulgação dos assuntos médicos, principalmente da medicina. Afinal, não há propaganda mais eficaz que o respeito à ética.


Lei para “retorno” de consulta - era só o que faltava!
Renato Françoso Filho 
Apresentado na Câmara Federal, dia 23/3/10, projeto de lei de autoria do deputado Marçal Filho (PMDB-MS), que propõe regulamentar prazo para o “retorno” de consulta, isentando de pagamento quando efetuado no período de 60 dias. 

Justifica sua propositura com o argumento de que “alguns médicos adotam conduta abusiva em busca de maior lucro, tais como a exigência de pagamento quando o paciente retorna para a apresentação dos exames ou para reavaliação do tratamento”.

Este projeto passou pela Comissão de Defesa do Consumidor na qual recebeu por parte do relator, deputado Roberto Brito, duas emendas. A primeira reduzindo “para 30 dias” o prazo para apresentar resultado de exames. A segunda “determina prazo de 15 dias ou mais, estabelecido por escrito pelo médico, para reavaliação” de tratamento e evolução.

Era só o que faltava. Não bastassem a vergonhosa omissão dos legisladores quando se trata de aprovar a CBHPM como parâmetro mínimo de remuneração para atos médicos, tanto no setor público como no suplementar; seu descompro¬misso em fazer leis que obriguem o reajuste anual dos honorários pagos pelos planos de saúde vinculados a indicadores ou mesmo mediados; sua inanição quanto ao descalabro que se tornou a remuneração dos atos médicos, pagos pelo SUS, que desmerecem a classe médica, tal a sua insignificância; sua apatia quando se trata de exigir maiores investimentos em saúde pelo setor público; vêm agora querer interferir na sagrada e saudável relação médico-paciente, querendo impor prazos de “retorno”.
 
A serviço de quem estarão estes deputados? Certamente que não a favor dos pacientes – estes têm nos médicos seus aliados quando solicitam exames para maior acurácia diagnóstica. Somos nós, médicos, que devemos saber quando solicitar exames, quando devem ser vistos, com que regularidade e qual importância devem ter. Somos nós que sabemos quantas vezes, com qual intervalo devemos reexaminar nossos pacientes e com quais recursos propedêuticos. Somos nós que devemos avaliar a eficácia e efeitos colaterais de medicamentos. Muitas vezes voltamos a ver os pacientes vários dias seguidos – sem nada cobrar por isto – e a isto se chama “responsabilidade profissional”.
 
Não precisamos que os nobres deputados dispensem seu precioso tempo regulamentando os prazos de retorno de consultas. É de interesse do médico avaliar a evolução do tratamento proposto sempre que entender necessário e com a frequência necessária. Os planos de saúde têm mecanismos de auditoria mais que eficientes para coibir exageros. Os pacientes particulares, raridade, têm na consistência da confiança em seu médico seu balizador.

É demagógica esta proposta legislativa. Com a embalagem vistosa de defesa do direito do consumidor, embrulha-se o interesse dos planos de saúde que, além de não reajustarem os valores que nos deveriam pagar, congelarem nossos honorários, não pagarem a visita no dia da alta de pacientes internados, aumentarem os valores cobrados junto aos pacientes e não nos repassarem estes aumentos, utilizam-se de legisladores que, com falácias, se imiscuem em assunto que médicos e pacientes há muito já se entenderam – muito antes dos planos de saúde e dos deputados.


*
Desiré Carlos Callegari (titular) e Renato Françoso Filho (suplente) são representantes do Estado de São Paulo no Conselho Federal de Medicina.


Este conteúdo teve 553 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 192 usuários on-line - 553
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior