PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Luiz Alberto Bacheschi, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Gabriel Oselka, coordenador do Centro de Bioética do Cremesp


PLENÁRIA ESPECIAL (págs. 4 e 5)
Cremesp recebe a visita de Giovanni Guido Cerri


ATIVIDADES DO CREMESP 1 (pág. 6)
Fórum Nacional: uma síntese do encontro realizado em dezembro


LEGISLAÇÃO (pág. 7)
A obrigatoriedade do registro do título de especialista


SAÚDE BRASIL (págs.8 e 9)
Índices de estudo do Ministério da Saúde são positivos


GERAL 1 (pág. 10)
ICB altera solução para conservação de material de estudo


SUS (pág. 11)
Projeto de Lei Complementar 45/2010


GERAL 2 (pág. 12)
Opinião de Conselheiro: Pedro Teixeira Neto*


COLUNA DO CFM (pág. 13)
Canal de comunicação dos representantes do Estado no CFM com médicos e sociedade


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Previna falhas éticas causadas por mera desinformação


GERAL 3 (pág. 15)
Atividades da presidência durante janeiro e fevereiro


ESPECIALIDADES (pág. 16)
O número de especialistas no país supera 6 mil


GALERIA DE FOTOS



Edição 278 - 01-02/2011

GERAL 2 (pág. 12)

Opinião de Conselheiro: Pedro Teixeira Neto*


Autonomia do paciente, de Hipócrates a Pessoa

Na Grécia antiga, acreditava-se que o médico possuía o poder da cura delegado pelos deuses, crença que o elevava à condição de um verdadeiro semideus. Entretanto, Hipócrates, pai da medicina (460 – 377 a.C.), desmistificou e afastou essa visão religiosa e fantasiosa, quando começou a direcionar os conhecimentos em saúde para o caminho científico.

Já na era moderna, René Descartes (1596-1650), um dos pensadores mais importantes e influentes do ocidente, fundamenta o método científico em bases racionais; a medicina avança e o médico passa a pertencer não mais ao campo do divino mas ao da razão. Torna-se, então, vulnerável às fragilidades humanas e sujeito às intempéries da difícil missão de curar e da luta inglória contra a morte, única certeza da humanidade.

Embora no século 18 o médico já fosse considerado um simples mortal, o filósofo Immanuel Kant (1724-1804) faz referência ao paternalismo, que atropela a autonomia do indivíduo, como em situações em que o médico manda e o paciente obedece.

Hoje a autonomia do paciente está sobejamente contemplada no Código de Ética Médica. O mote do discurso em defesa da autonomia é o respeito à dignidade do paciente. Não só na vida ativa, mas também no morrer. E para sua sustentação jurídica, surge o documento “Diretiva Antecipada de Vontade ou Testamento Vital”, tema em discussão no Conselho Federal de Medicina e no Congresso Nacional.

Trata-se de um documento que registra o que a pessoa quer e o que não quer que façam com ela, principalmente, no final da vida. Por exemplo, pode dizer que não quer ser recuperada, caso tenha uma parada cardiorrespiratória; que não quer ser mantida viva por meio de aparelhos etc. Ou, simplesmente, não quer submeter-se a determinado exame.

Mas é na finitude da vida que mora o espírito do Testamento Vital e onde encontra sua mais emblemática aplicação. Para o bioeticista Diego Gracia, da Universidade Complutense de Madri, médicos e pacientes devem ter uma mentalidade diferente e conversar sobre os cuidados que serão aplicados em situações terminais. Mas é de ponderar que a dificuldade situa-se no âmbito cultural, posto ser fundamental a mudança de comportamento de médicos e pacientes.

Cumpre que o Brasil é o mais populoso país da América Latina. E é coisa sabida que o povo latino tem a sensibilidade à flor da pele. Vive com o coração e faz pouco uso da razão nos momentos críticos. É um sonhador romântico! 

Em seu Livro do Desassossego, o poeta e escritor português Fernando Pessoa diz: “O mal romântico é querer a lua como se houvesse maneira de a obter”. Assim, ele nunca se dá por vencido; e a morte, ainda que parte da vida, não cabe nos seus planos. Mas cabe ao médico brasileiro, também latino, dar o primeiro passo.

Para isso, é preciso educá-lo e treiná-lo no manejo das condições terminais. O aparelho formador, gerador de saber, com 181 faculdades de medicina, precisa sair da sombra do conservadorismo e avançar. Deve valorizar a sensibilidade e vocação humanística do estudante. Exercitar esta prática, ensinar a cuidar, sobretudo, quando curar não é mais possível.

O médico não pode ser transformado em gerente de tecnologia, refere Bernard Lown, Prêmio Nobel da Paz em 1985, no livro A Arte Perdida de Curar: “A arte de curar não significa abandonar os avanços espetaculares da ciência moderna, mas deve incorporá-la na relação humana, sensitiva.”

É fundamental aprender a respeitar a autonomia do paciente, ter o tempo necessário para ouvir, ainda que mais não seja, para saber quais as reais intenções, quando implícita a finitude da vida.

É neste mar que se navega e dá para avaliar o tamanho das ondas a serem enfrentadas. Contudo, navegar é preciso...


*Pedro Teixeira Neto, médico e conselheiro do Cremesp




Saúde Suplementar

TUSS não é referência para remuneração médica

A Terminologia Unificada em Saúde Suplementar (TUSS), que uniformizou todos os códigos e nomenclaturas de procedimentos médicos realizados pelos planos de saúde no Brasil, não deve ser usada como referencial para definir a remuneração médica. Ela não faz qualquer alusão a valores.

“Quando a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) decidiu instituir a TUSS, uma das premissas básicas era justamente de que não houvesse interferência nos honorários profissionais”, diz Florisval Meinão, coordenador da Comissão Nacional de Consolidação e Defesa da CBHPM e representante da Associação Médica Brasileira (AMB) na ANS.

Ele explica que a negociação continua a ser feita diretamente entre empresas e prestadores.

Esta é a mesma opinião do presidente da Associação Brasileira de Medicina de Grupo (Abramge), Arlindo de Almeida. “A TUSS é completamente desvinculada da remuneração médica e a terminologia poderia servir, apenas, como simples referência aos códigos.

O objetivo da TUSS, de acordo com a ANS, é unificar a terminologia utilizada por planos de saúde e médicos. Isso porque, ao longo dos anos, cada operadora de plano de saúde criou uma tabela própria de códigos. Mais de 20 tabelas diferentes passaram a coexistir, dificultando as análises estatísticas sobre os procedimentos e o gerenciamento de dados. 

Esta nova terminologia foi desenvolvida pela AMB e ANS, com os membros do Comitê de Padronização das Informações em Saúde Suplementar (Copiss). A TUSS foi instituída em 2008, por meio da Instrução Normativa (IN) n° 30 da ANS e, posteriormente, alterada pela IN nº 34, de 2009. Sua adoção é obrigatória.

Segundo a agência, de nada adianta termos um padrão de troca de informação eletrônica se o conteúdo dele não for padronizado. Antes, cada prestador de serviço e cada operadora poderiam ter uma terminologia diferente para o mesmo procedimento.

Para Almeida, a adoção da TUSS traz vantagens não apenas para as operadoras de planos de saúde, mas também para os demais envolvidos – médicos e hospitais. “A terminologia facilita o diálogo eletrônico e oferece dados mais confiáveis do ponto de vista epidemiológico.”

A TUSS utiliza como base a Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos Médicos (CBHPM), gerenciada pela AMB, que é um referencial mínimo de remuneração na saúde suplementar. Para Meinão, justamente por isso, a nova terminologia tem sido bem absorvida pelos médicos, porque a CBHPM já estava amplamente difundida entre eles. “Portanto, não mudou muito a referência dos códigos”, diz.


Este conteúdo teve 93 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 453 usuários on-line - 93
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior