PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Luiz Alberto Bacheschi, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Gabriel Oselka, coordenador do Centro de Bioética do Cremesp


PLENÁRIA ESPECIAL (págs. 4 e 5)
Cremesp recebe a visita de Giovanni Guido Cerri


ATIVIDADES DO CREMESP 1 (pág. 6)
Fórum Nacional: uma síntese do encontro realizado em dezembro


LEGISLAÇÃO (pág. 7)
A obrigatoriedade do registro do título de especialista


SAÚDE BRASIL (págs.8 e 9)
Índices de estudo do Ministério da Saúde são positivos


GERAL 1 (pág. 10)
ICB altera solução para conservação de material de estudo


SUS (pág. 11)
Projeto de Lei Complementar 45/2010


GERAL 2 (pág. 12)
Opinião de Conselheiro: Pedro Teixeira Neto*


COLUNA DO CFM (pág. 13)
Canal de comunicação dos representantes do Estado no CFM com médicos e sociedade


ALERTA ÉTICO (pág. 14)
Previna falhas éticas causadas por mera desinformação


GERAL 3 (pág. 15)
Atividades da presidência durante janeiro e fevereiro


ESPECIALIDADES (pág. 16)
O número de especialistas no país supera 6 mil


GALERIA DE FOTOS



Edição 278 - 01-02/2011

ALERTA ÉTICO (pág. 14)

Previna falhas éticas causadas por mera desinformação


Exame genético e teste de paternidade


Se fizer um exame com o objetivo de detectar problemas genéticos no feto, posso aproveitar o material também para realizar teste de paternidade?
Aqui, a questão vincula-se a um procedimento chamado biópsia de vilo corial (BVC), usado basicamente para diagnosticar anormalidades cromossômicas como, por exemplo, a síndrome de Down.

Respondendo à pergunta básica, a Câmara Técnica Interdisciplinar de Bioética do Cremesp crê que, tendo-se já colhido e havendo material suficiente para fazer ambos os testes, a realização do exame de paternidade é secundária à pesquisa de má-formação, como podemos verificar em várias clínicas especializadas no assunto. Nesse ponto não há questionamento.

Porém, deve-se lembrar que o teste de paternidade serve basicamente para o filho saber quem são seus pais. Tanto isso é verdade, que temos de obter o consentimento de todos os envolvidos nesta pesquisa específica.

É um teste de exclusão e não de afirmação, isto é, exclui alguns dos possíveis pais, mas não afirma que é o único, apenas conclui pela eliminação das hipóteses anteriores.

Por outro lado, se a biópsia vilo corial for feita unicamente para uma pesquisa de paternidade, acreditamos que existirá infração ao Código de Ética Médica, considerando-se, em especial, os itens II, VIII e XXI dos Princípios Fundamentais, além dos Art. 3°, 4° e 14.

A Câmara de Bioética concorda com o colega que encaminhou a questão, quando afirma que a biópsia de vilo corial é um exame invasivo, não isento de complicações, e que seria uma falha ética a sua realização unicamente para a pesquisa de paternidade.

Sabe-se que o maior problema de uma biópsia de vilo corial é terminar em abortamento, como acontece entre 0,5 a 1,5% das punções e, portanto, não é inócuo.

Quando se faz este exame visando à pesquisa de má-formação, costuma ser informado pelo médico ao paciente/casal que, mesmo em caso de resultado positivo, não existe terapêutica, nem opção de se abortar, pois é algo proibido por lei, por ser eugênico.
Além do âmbito prático, então, restam-nos algumas dúvidas de cunho ideológico.

Estamos cientes de que é um direito da gestante requisitar tal exame, no exercício de sua autonomia. Mas de quem será a responsabilidade, se algo der errado? Valeria a pena correr um risco elevado numa biópsia de vilo corial, sem que haja algum benefício real à gestação? Estaremos usando a medicina e todo o seu arsenal propedêutico para auxiliar no diag¬nóstico clínico, ou apenas para ajudar a paciente a solucionar uma dúvida pertinente somente a ela/casal?

Médicos podem, sim, assumir as responsabilidades individualmente e correr os riscos em conjunto, incluindo quem faz a punção, a análise ultrassonográfica, e o exame genético. Mas seria o mais correto?

Baseado no Parecer Consulta nº 134.939/09 do Cremesp


• Alerta Ético é uma coluna de responsabilidade do Centro de Bioética do Cremesp. Corresponde a resumos de questões publicadas na coluna FAQs, (originadas de pareceres e resoluções do Cremesp e CFM), disponível no site Bioética.



Este conteúdo teve 185 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 379 usuários on-line - 185
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior