PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág.2)
Renato Azevedo - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág.3)
Robert Nicodeme


FISCALIZAÇÃO (pág. 4)
Delegacia Regional do Cremesp em Campinas


SAÚDE SUPLEMENTAR (pág. 5)
Parecer CADE


ENSINO MÉDICO (pág. 6)
Revalida


ENSINO MÉDICO (pág. 7)
Avaliação nacional


DEMOGRAFIA MÉDICA (págs. 8/9)
Relatório de Pesquisa CFM/Cremesp


REPERCUSSÃO (pág. 10)
Distribuição desigual


REGIONAIS (pág.11)
Novas instalações da Delegacia de Ribeirão Preto


COLUNA DO CFM (pág.12)
Artigos dos representantes de SP no Federal


ELEIÇÕES CREMESP 2013 (pág.13)
Este ano não haverá voto presencial


SAÚDE PÚBLICA (pág.15)
A explosão da dengue no interior de SP


ENCONTRO NACIONAL (pág.16)
CRMs defendem o SUS de qualidade


GALERIA DE FOTOS



Edição 301 - 03/2013

REPERCUSSÃO (pág. 10)

Distribuição desigual


Mídia destaca desigualdade na distribuição de médicos

 

Os principais jornais e sites de diversos Estados repercutiram a segunda edição da pesquisa Demografia Médica no Brasil: Cenários e indicadores de distribuição, desenvolvida pelo Cremesp em parceira com o Conselho Federal de Medicina (CFM), e divulgada no dia 18 de fevereiro, em coletiva de imprensa realizada na sede do Federal.

Dentre os aspectos de destaque nas matérias, estão a distribuição desigual de médicos pelo país – com carência de profissionais em regiões periféricas e forte concentração em grandes centros – e a ausência de políticas públicas para resolver o problema.

Jornais
Sob o título “Estratégias do governo não acabarão com a carência de médicos”, o jornal O Estado de S.Paulo citou que a criação de novos cursos de Medicina em determinados locais ou a facilitação do ingresso no País de profissionais formados no exterior são medidas que, isoladamente, não resolverão o problema da fixação de médicos em regiões sem infraestrutura adequada de atendimento.

Por sua vez, o jornal Folha de S.Paulo chamou a atenção para o fato de que a abertura de cursos de Medicina no Interior do país não resolverá a falta localizada de médicos, já que os profissionais preferem trabalhar nas capitais. Em seu site, destacou: “Médico que se forma ‘fora de casa’ trabalha em capitais, diz estudo”. No jornal O Globo também foi manchete a distribuição desigual de profissionais no país: “Número de médicos cresce, mas distribuição continua desigual”

Sites
O site do Correio Braziliense abordou a falta de médicos no Sistema Único de Saúde (SUS), nas regiões mais pobres do país, enquanto o portal R7 (Record) deu destaque para a pesquisa com a chamada “Mais da metade dos médicos ativos está no SUS, mas número ainda é insuficiente”. Já o portal Terra optou por ressaltar que o “CFM critica distribuição de médicos e cobra posição do governo”.

Outros Estados
No Rio Grande do Sul, tanto o jornal Zero Hora quanto o seu site trouxeram a manchete “Estado é o quarto do país em número de médicos”. No Paraná, a Gazeta do Povo destacou que o Estado “possui a menor cobertura médica do Sul”.



Entidades médicas avaliam resultados e alertam governo

“Sem uma política eficaz de presença do Estado no desenvolvimento das áreas desassistidas e sem uma política de valorização e de fixação de profissionais com ênfase nas carreiras públicas, o quadro de desigualdade apresentado no estudo Demografia Médica pode se acentuar, pois o mercado, e não o Estado, é que continuará a determinar a distribuição dos médicos no Brasil.” Renato Azevedo Júnior, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp).

 

“Os dados da Demografia Médica no Brasil reforçam os argumentos que temos levado ao debate público: a desigualdade na distribuição dos profissionais somente será resolvida com um conjunto de medidas: maior financiamento, combate à precarização do trabalho e estrutura adequada. Sem um planejamento adequado e visão de longo prazo, a entrada de novos profissionais no mercado – como sugere o governo – apenas acirrará a diferença que existe atualmente. Esperamos que os gestores tomem as medidas necessárias para que a Medicina possa ser exercida em sua plenitude”. Roberto d’Ávila, presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM).

 

“A segunda pesquisa mostra importantes detalhes do cenário médico no Brasil: crescimento expressivo em número, mas enorme concentração em grandes cidades. E ainda a comprovação de que necessitamos de qualidade na formação médica, estando o Governo na contramão desse processo. Os médicos precisam de condições adequadas de trabalho, remuneração digna, carreira de Estado e educação continuada. O governo precisa nos dizer quantos médicos o Brasil precisa, em que especialidades/áreas do conhecimento, para trabalhar onde, sob quais condições e com qual remuneração.” Florentino Cardoso Araujo, presidente da Associação Médica Brasileira (AMB).

 

“O importante trabalho sobre demografia realizado pelo Cremesp e CFM torna mais clara a questão do número de médicos pela população, que hoje atinge dois para cada 1 mil pessoas, desfazendo o mito da falta generalizada desses profissionais. O aparelho formador que aumentou muito o número de médicos lançados a cada ano no mercado permite, sem mais aumentos, que se atinja facilmente a proposta do governo de 2, 4 médicos por 1 mil habitantes em 2020. Continuaremos com os mesmos problemas de distribuição, que só serão resolvidos com carreira médica, piso salarial e condições de trabalho adequadas.” Geraldo Ferreira, presidente da Federação Nacional dos Médicos (Fenam).

 

“A pesquisa é importante porque esclarece a polêmica sobre a necessidade de mais médicos no País. O que os resultados mostram é que hoje os médicos se concentram no sistema privado, e não no público – onde condições de trabalho e remuneração são muito mais precárias – e optam por trabalhar nos grandes centros, em locais com infraestrutura e tecnologia, o que coloca em xeque a decisão do governo de abrir mais escolas e facilitar a revalidação de diplomas. Por isso, as ações do governo têm de ser no sentido de oferecer melhores condições de trabalho e um plano de carreira para os médicos.” Florisval Meinão, presidente da Associação Paulista de Medicina (APM).

 

 


Este conteúdo teve 720 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 169 usuários on-line - 720
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior