PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág.2)
João Ladislau Rosa - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág.3)
José Osmar Medina Pestana


DROGADIÇÃO (pág.4)
Congresso discute malefícios do tabagismo


DEPENDÊNCIA QUÍMICA (pág.5)
58% das famílias bancam tratamento


MOVIMENTO MÉDICO (pág.6)
ADIs sobre o Mais Médicos serão julgadas em 2014


PLENÁRIA ESPECIAL (pág.7)
Formação e prática médica no Canadá


ESPECIAL (pág.8)
Médicos voluntários


ESPECIAL (pág.9)
Médicos voluntários


ESPECIAL (pág.10)
Médicos voluntários


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág.11)
Novos diretores no HSPE


COLUNA DOS CONSELHEIROS DO CFM (pág.12)
Artigos dos representantes de SP no Federal


JOVENS MÉDICOS (pág.13)
Nova diretoria da Ameresp é eleita


BIOÉTICA (pág.16)
Uso de animais em pesquisas


GALERIA DE FOTOS



Edição 310 - 12/2013

ENTREVISTA (pág.3)

José Osmar Medina Pestana


Muito além das salas de aula

“O médico precisa fazer uma leitura correta das necessidades sociais de saúde que ultrapassem os limites do tratamento”

 

Entre os cinco médicos homenageados pelo CFM, neste ano, figura o nome do nefrologista José Osmar Medina Pestana, por sua trajetória na área de transplantes de alta complexidade, aliada a conceitos humanísticos e solidários, aplicados nas atividades voluntárias de seus alunos junto a comunidades. Formado pela Escola Paulista de Medicina (Unifesp), possui pós-doutorado nas áreas de transplante renal, pela Cleveland Clinic (EUA), e em transplante experimental, na Universidade de Oxford (Reino Unido). É membro da Comissão de Ética da Sociedade Internacional de Transplantes e vice-presidente da Academia Nacional de Medicina. Nesta entrevista ao Jornal do Cremesp, ele fala sobre os desafios da área de transplantes no Brasil, modelos de assistência e atividades na área de ensino e administração.


Como professor, de que forma procura estimular os alunos a se interessar pela área de transplantes?
Trabalho com os alunos de graduação a necessidade de “criar uma história fora da sala de aula”, evitando colocar toda a energia nas notas das provas. Procuro mostrar que, além do conhecimento teórico, o médico necessita de uma refinada capacidade de aliar bom senso ao conhecimento, quando diante de situações clínicas. Recomendo o trabalho voluntário na comunidade, pois isso pode ajudá-los a desenvolver o humanismo e a capacidade de fazer uma leitura correta das necessidades sociais de saúde que ultrapassem os limites do tratamento. Tento, ao mesmo tempo, promover o “desassossego”, insistindo na obtenção de informações globais sobre política, geografia e comportamento relacionadas a cada cultura, muitas vezes obtidas no intercâmbio internacional. E também insisto na necessidade do envolvimento em projetos de iniciação científica, obje­tivando o desenvolvimento da capacidade crítica na interpretação das inovações que podem ou não ser aplicadas ao paciente, de acordo com sua realidade.

Como define o modelo de atendimento especializado em larga escala, aplicado em sua atividade como médico?
Há 15 anos, iniciamos no Hospital do Rim – e constantemente buscamos apri­morá-lo – um conceito de atendimento especializado em larga escala, que segue um modelo aplicado em produção em escala, mas estruturado em uma área que permita a interação permanente entre os profissionais e mantenha o caráter humanitário da assistência à saúde. O modelo visa otimizar o desempenho de cada segmento (ou estação de trabalho), buscando aperfeiçoar o resultado final.

De que forma isso se aplica à rotina de um transplante?
Existem equipes multi­profissionais especia­li­zadas, dedicadas a cada segmento do atendimento e organizadas em estações de trabalho interconec­tadas no preparo pré-trans­plante, na captação de órgãos, no centro cirúrgico, na enfermaria, nos cuidados pós-transplante ime­diato, na unidade de acompanhamento ambu­latorial, na enfermaria de intercorrências tardias e na pesquisa clínica. Esse alinhamento do atendimento em elos é refinado semanalmente, quando o grupo se reúne, revisando os dados e dificuldades da semana anterior, bem co­mo fazendo a previsão das atividades da semana seguinte. O modelo está sendo aplicado também em outras situações clínicas. O benefício inicial – como ocorre na produção industrial – é o melhor desempenho na produção que, depois de certo tempo, é seguido pela melhoria acentuada na qualidade do resultado final, em função da repetição sistemática de cada ação por essas equipes.

Esse modelo poderia ser aplicado a outras unidades de atendimento?
O sucesso da aplicação deste modelo em saúde depende da integração do paciente ao sistema, em que equipes multipro­fis­sionais circulam em um mesmo ambiente, com com­prometimento uniforme no aprimoramento do atendimento humanitário a diversas necessidades das pessoas. Acredito que a reprodução de centros de atendimento em larga escala – especializados em determinados segmentos – poderá melhorar a eficiência tanto clínica como econômica do aten­di­men­to à saúde, seja na área pública ou privada. É desejável que esses centros não sejam geograficamente distantes entre si, mas concentrados em determinada área – cada um dentro da sua especialidade – e incorporando inovações proporcionadas pelo entorno, seguindo o exemplo do polo de informática concentrado no Vale do Silício, nos Estados Unidos.

Como está o cenário da área de transplantes no Brasil?
O País é referência mundial em transplantes de rim, fígado, coração e pulmão. É o segundo em número de procedimentos – só perde para os Estados Unidos. Temos o maior sistema público de transplantes do mundo. Graças à solidariedade da população brasileira, a fila para transplantes de córneas desapareceu, e dobrou o número de transplantes de rim e fígado nos últimos seis anos.

O que é necessário para ser doador de órgãos?
Todas as pessoas podem ser doadoras, independente da idade e da condição de morte. Apenas algumas poucas doenças infecciosas sistêmicas impedem a doação. Para ser doador, após a morte, basta avisar a família sobre sua intenção: ela vai considerar isso como seu último desejo e autorizar o transplante. Nos casos em que há negativa de doação, ela nunca se baseia em dogmas religiosos ou culturais, mas sim na falta de informação prévia comunicada pelo paciente aos familiares.

Como o médico pode colaborar nesse processo?
O médico é fundamental, pois o transplante só ocorre se ele – quando estiver tratando de um paciente em morte encefálica –, entrar em contato com a central estadual de transplantes de órgãos. Ou mesmo com as comissões intra-hospitalares de transplantes, para que a família possa ser adequadamente abor­dada. Infelizmente, isso acontece em um de cada quatro casos de potenciais doadores, sendo uma situação que, se aprimorada, poderia benefi­ciar­ muito mais pessoas.

 


Este conteúdo teve 82 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 128 usuários on-line - 82
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior