PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág.2)
João Ladislau Rosa - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág.3)
Arnaldo Colombo


PISCINA + SEGURA (pág.4)
Campanha faz alerta sobre riscos de afogamentos


SAÚDE PÚBLICA (pág.5)
Câncer uterino


EXAME DO CREMESP (págs.6 e 7)
Nove escolas médicas de SP alcançam a média


SAÚDE SUPLEMENTAR (págs.8 e 9)
Mobilização da classe médica


MOVIMENTO MÉDICO (pág.10)
Intercambistas cubanos e discriminação salarial


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág.11)
Cremesp debate PL para remissão do ISS


COLUNA DOS CONSELHEIROS DO CFM (pág.12)
Artigos dos representantes de SP no Federal


JOVENS MÉDICOS (pág.13)
Prontuário Médico


SERVIÇO AOS MÉDICOS (pág.14)
Educação continuada


BIOÉTICA (pág.15)
Aborto legal


DOAÇÃO DE ÓRGÃOS (pág 16)
Informações importantes que podem salvar vidas


GALERIA DE FOTOS



Edição 312 - 03/2014

PISCINA + SEGURA (pág.4)

Campanha faz alerta sobre riscos de afogamentos


Ação preventiva dos médicos pode ajudar na redução de afogamentos

 


O afogamento aparece como segunda causa de óbitos de crianças com até nove anos de idade no Brasil


A maioria dos afogamentos (53%) no Brasil envolve crianças, sendo a metade em residências. O afogamento aparece como a segunda causa de óbitos de crianças com até nove anos de idade no Brasil. Mais de dez milhões de jovens com até 14 anos são internadas vítimas de afogamento e uma, a cada 35, chega ao óbito.

O médico tem um papel fundamental na prevenção e na diminuição dos afogamentos no país. “O pediatra deve explicar para os pais o risco que é o afogamento, por meio de dados e exemplos do dia a dia. Não é porque a criança sabe nadar que um adulto não precisa observá-la”, diz David Szpilman, médico e fundador da Sociedade Brasileira de Salvamento Aquático (Sobrasa). A entidade criou a campanha Piscina + Segura (ver box) visando conscientizar a população.

Participação do pediatra
Marislaine Lumena, presidente do Departamento Científico de Segurança da Criança e do Adolescente da Sociedade Brasileira de Pediatria, considera que a promoção da segurança deve fazer parte integrante e obrigatória da consulta pediátrica. “A inclusão de orientações sobre prevenção de afogamento melhora o conhecimento dos pais e a adoção de medidas efetivas”, diz.

Além de orientar, o pediatra pode ajudar a conter o alto índice de afogamento infantil, por meio de medidas educativas em consultas e escolas, apoio à aprovação de leis e defendendo mudanças tecnológicas, como a implementação de ralos anti-sucção nas piscinas. “É papel do pediatra abordar as estratégias preventivas, embasadas em evidências científicas e dirigir mensagens claras para todos os que se interessam pela segurança da criança e do adolescente”, afirma Marislaine.

Além de recomendar que todo o pediatra acesse a campanha Piscina + Segura no site da Sobrasa (www.sobrasa.org.br),  ela sugere que o profissional conheça o projeto de lei federal – que prevê guarda-vidas em piscinas coletivas com área acima de 100m²  e com mais de 1,4 metros de profundidade, entre outras medidas – e assine a petição favorável à segurança nesses ambientes.  A petição contava com 5,3 mil assinaturas até o final do mês de fevereiro.

 


 

Medidas básicas aumentam segurança nas piscinas


A campanha Piscina + Segura, que busca cons­cientizar sobre os perigos das piscinas no Brasil, foi iniciada no final de 2013, pela Sobrasa. A iniciativa conta com cinco medidas básicas que, quando seguidas, aumentam em 95% a segurança dentro das piscinas. São elas: Atenção dos responsáveis, durante todo o tempo, nas crianças; a importância de um guarda-vidas sempre presente nas piscinas coletivas; urgência na hora de agir de forma consciente; o uso de cercas em volta das piscinas; e o alerta em relação aos ralos de sucção e meios de interrupção do funcionamento de bombas.

 


 

Parceria
Cremesp, CFM e USP terão observatório sobre  a profissão médica


A criação de um observatório nacional sobre a profissão médica será um dos destaques da parceria envolvendo o Cremesp, o Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (Fmusp). O acordo prevê cooperação acadêmica e científica para alavancar estudos que possibilitem traçar um perfil aprofundado da população médica no Brasil.

Os trabalhos serão ini­ciados ainda no início do segundo semestre. Um dos pontos que deverá ser contemplado com a parceria é a continuidade e o aprofundamento da linha de pesquisa sobre a Demografia Médica no Brasil, que tem sido desenvolvida sob a coordenação do professor Mário Scheffer, do Departamento de Medicina Preventiva da FMUSP. Ele também deverá coordenar o futuro observatório.

Um convênio deverá selar o acordo, criando as condições necessárias à realização de pesquisas pela integração de diferentes bancos de dados de cadastros de médicos e outras bases secundárias. “Trata-se de um momento importante para os Conselhos de Medicina, pois teremos condições de mostrar à sociedade o real perfil dos profissionais”, afirma Roberto d’Avila, presidente do CFM. Para o diretor da Fmusp, Giovanni Guido Cerri, a aproximação do CFM e do Cremesp com a academia é importante neste momento em que há um grande debate nacional sobre o médico e a qualidade da assistência.

Segundo Scheffer, os resultados podem inclusive contribuir para o debate atual sobre acesso à assistência médica no Brasil. Isso porque o observatório oferecerá subsídios para identificar o real papel desses profissionais no sistema de saúde brasileiro, sua distribuição geográfica e seu perfil em termos de formação.

 



Benefício
Requerimento de liberação do rodízio estará disponível apenas online


O Cremesp deixará de enviar o requerimento para a obtenção da isenção do rodízio municipal de veículos juntamente com a carta informativa sobre o término de vigência do benefício. Para obter o requerimento e o boleto para pagamento, os médicos deverão acessar o site do Conselho (www.cremesp.org.br), imprimir os dois documentos e efetuar o pagamento antes da entrega da solicitação na sede ou delegacias do Cremesp da capital.

Apenas os médicos residentes no município de São Paulo, amparados pela Lei Municipal nº 12.632, de 1998, podem requerer a liberação para circular nos dias e horários determinados pelo programa de restrição ao trânsito de automóveis na cidade. O benefício abrange apenas um veículo que seja de sua propriedade e licenciado na capital paulista.

Dúvidas relacionadas à isenção do rodízio para médicos devem ser encaminhadas à Central de Atendimento Telefônico do Cremesp pelo telefone (11) 5908-5600 ou email rod@cremesp.org.br.

 


Este conteúdo teve 578 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 228 usuários on-line - 578
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior