PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág.2)
João Ladislau Rosa - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
David H. Jernigan


DROGADIÇÃO (pág. 4)
Indústria do álcool e Copa


COPA DE 2014 (pág. 5)
Fiscalização na Arena Corinthians


SAÚDE SUPLEMENTAR (pág. 6)
Contratualização


CBHPM (pág. 7)
Tramitação do PLC 39/07


ENSINO MÉDICO (pág. 8)
Qualidade acadêmica


PARCERIA (pág. 9)
Monitoramento e fiscalização


ANVISA (pág. 10)
Importação de medicamentos controlados


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Novos diretores do Sindicato dos Médicos


INFORME TÉCNICO (pág. 12)
GEC é obrigatório em SP


JOVEM MÉDICO (pág. 13)
Saúde física e mental


COLUNA DO CFM (pág. 14)
Artigo do representante de SP no Federal


ELEIÇÕES CFM 2014 (pág. 13)
Comissão Eleitoral


BIOÉTICA (pág. 16)
O uso medicinal de Cannabis sativa


GALERIA DE FOTOS



Edição 315 - 06/2014

ENTREVISTA (pág. 3)

David H. Jernigan


“A falta de políticas públicas é um reflexo da força da indústria”

 

“A prevenção é necessária para não onerar os serviços de saúde”

 

 

Investir em pesquisas e promover intervenções eficazes para a melhoria da saúde pública são estratégias que norteiam, desde 2005, as ações do Departamento de Saúde, Comportamento e Sociedade do Centro de Álcool, Marketing e Juventude Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, em Baltimore (EUA). O trabalho, dirigido por David H. Jernigan, PhD e professor associado da instituição, contribui para o desenvolvimento de políticas e ambiente social que favoreçam uma mudança de comportamento, reduzindo problemas, como a dependência do álcool, tabaco e outras drogas, doenças sexualmente transmissíveis, lesões decorrentes de atos violentos, dentre outros. Em entrevista exclusiva ao Jornal do Cremesp — concedida durante a Conferência Internacional sobre Álcool e Violência, Jernigan falou sobre o papel da indústria no aumento do consumo de bebidas alcoólicas e quais estratégias podem ser adotadas para reverter esse quadro no País.



Estudo da Organização Mundial de Saúde indica que o consumo de álcool no Brasil é maior que a média mundial. Qual a razão desse quadro?
Isso acontece porque os rendimentos da população estão aumentando no Brasil, e o consumo de bebidas alcoólicas tende a crescer em conformidade com o aumento da renda da população. Se os países não se sensibilizarem e adotarem controles sensatos, a disponibilidade e o consumo de álcool tendem a expandir-se ainda mais.


Apesar da restrição da publicidade, o consumo no País não só é maior, como continua a crescer. Isso se dá pela ineficácia das políticas públicas de saúde ou se trata de uma estratégia bem sucedida da indústria do álcool?
A falta de políticas públicas de saúde é, muitas vezes, um reflexo da força da indústria do álcool. No Brasil, um só grupo empresarial vende dois terços de cerveja do País. Esse tipo de concentração permite que uma empresa possa obter lucros mais elevados. E, em seguida, uma maior parte desse dinheiro é destinado tanto para o marketing como para fazer lobby junto ao governo e instituições, além de outras atividades que visam influenciar as políticas públicas de saúde.


As falhas na regulamentação do setor favorecem a atuação da indústria do álcool?
Em ambos os casos, tanto no segmento da indústria da cerveja como no de bebidas destiladas, um pequeno número de grandes conglomerados controla a maior parte do comércio em todo o mundo. Como o desenvolvimento ocorre em nível global, e os países tendem a liberalizar seus ambientes de negociação, essas empresas têm aproveitado a falta de regulamentação para comer­cializar seus produtos de forma agressiva. Isso acaba por minar os esforços de diferentes países no sentido de colocar em prática estratégias baseadas em evidências para reduzir o consumo de álcool e danos relacionados.


Que estratégias poderiam contribuir para a redução dessa influência e, conse­quentemente, do consumo?
A Organização Mundial de Saúde identificou três grandes estratégias para reduzir os malefícios relacionados com o álcool. São medidas eficazes e de baixo custo que os governos podem utilizar e que compreendem a adoção de impostos mais elevados, a diminuição dos horários de comercialização de bebidas, a limitação da disponibilidade física dos produtos – com a redução de pontos de venda, e a restrição da comer­cia­liza­ção do álcool – e a adoção de políticas que controlem a ação da indústria na divulgação de seus produtos.


As atividades de marke­ting da indústria do álcool são mais agressivas nos países em desenvolvimento?
Em todo o mundo, encontramos empresas que fabricam e comercializam bebidas alcoólicas usando mensagens e estratégias que em alguns países seriam permitidas e, em outros, não. Por exemplo, nas Filipinas, uma bebida orientada para os jovens usa a linha de comunicação: “É tão bom que você vai ficar viciado” em sua campanha publicitária. Em outros países, as empresas do setor fazem referências à promoção de saúde para os seus produtos. Essas práticas não seriam permitidas nos Estados Unidos.


As políticas públicas devem estar mais focadas na prevenção ou no tratamento dos dependentes químicos?
O tratamento é responsabilidade ética da sociedade, que permite o aumento da oferta de um produto altamente viciante. Enquanto o álcool estiver livremente disponível, nunca estaremos longe do problema. A prevenção é absolutamente necessária porque, do contrário, estaremos aumentando os custos dos serviços públicos de saúde, pois cada vez mais e mais pessoas precisarão de atendimento, o que se pode comprovar também no Brasil.

 


Este conteúdo teve 160 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 231 usuários on-line - 160
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior