PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Tomas Salerno


FORMAÇÃO MÉDICA (pág. 4)
Capacitação à distância


IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS (ISS) (pág. 5)
Regularização de Débitos


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 6)
Hospital Filantrópico


JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE (pág. 7)
Núcleo de Apoio Técnico e de Mediação


ESPECIALIDADES (págs. 8 a 9)
Valorização profissional


AUDIÊNCIA PÚBLICA (pág. 10)
Superlotação de hospitais


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Avaliação acadêmica


EU, MÉDICO (pág. 12)
Conexão Brasil-Nepal


JOVENS MÉDICOS (pág. 13)
Residência Médica


SANTAS CASAS (Pág. 14)
Acesso à saúde: Meu direito é um dever do governo


BIOÉTICA (pág. 15)
Ética em pesquisa


GALERIA DE FOTOS



Edição 326 - 06/2015

EDITORIAL (pág. 2)

Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp



Crise na assistência pediátrica

 

   Alerta aos médicos, aos pacientes e à sociedade


 

“Desde a década de 90 diminuiu em mais de 45% o número de candidatos ao título de especialista em pediatria”
 

A assistência à saúde é hoje uma atividade multidisciplinar envolvendo diversas profissões. Não obstante, o ato médico continua imprescindível, se não na maioria das ações, com certeza nas mais essenciais. Assim, mesmo com o risco de parecer tautológico, podemos afirmar que não existe medicina sem médicos!

Paradoxalmente, com a criação do SUS e a ampliação dos serviços de atendimento vivemos uma conjuntura de insatisfação crescente. A população, cada vez mais consciente dos seus direitos, demanda atenção às suas necessidades que, infelizmente, estão longe de ser contempladas. Mesmo para aqueles privilegiados que podem pagar por um plano de saúde privado, a situação também não é confortável.

Para o lado dos médicos, o cenário igualmente é cada vez mais insatisfatório. Paralelamente às baixas remunerações, tanto pelos entes estatais como privados, convivemos com más condições de trabalho e falta de perspectivas profissionais. Além de sermos, quase sempre, imputados pelos desatinos de um sistema de saúde que está distante das necessidades da população.

Por exemplo, vejamos o que ocorre em uma das especialidades de maior relevância para a comunidade. Recentemente a Sociedade de Pediatria de São Paulo (SPSP) publicou pesquisa sobre perfil e atuação dos médicos pediatras. Entre os dados mais alarmantes, observa-se que sete em cada dez entrevistados sofreram algum tipo de violência no exercício profissional. Desses, 63% relataram agressão psicológica, 10% física e 4% vivenciaram algum tipo de cyberbullying.

Além desse fato lamentável, os pediatras em geral trabalham em 2,5 ou mais lugares cerca de 60 horas semanais. Por outro lado, uma consulta desse especialista nos planos de saúde na média é inferior à R$ 75,00 brutos. Se descontados impostos e despesas de manutenção de consultório etc, no final o profissional receberá menos de R$ 15 por uma consulta.

Nessas condições não é surpreendente que estudantes de medicina e jovens médicos se desinteressem por essa espe­cia­lidade. Isso talvez explique porque desde a década de 90 diminuiu em mais de 45% o número de candidatos ao título de especialista em pediatria, não obstante o aumento do número de escolas médicas no País.

A crise na Pediatria, a falta de especialistas e o risco que isso representa ao sistema de saúde são temas da reportagem de capa desta edição do Jornal do Cremesp. Essa situação de extrema gravidade exige a união de todos,  em especial das entidades de classe na luta pela dignidade e valorização dos médicos.
 


Opinião

A Obstetrícia perde o professor Bussâmara Neme
 

Krikor Boyaciyan
Diretor vice-corregedor e coordenador da Câmara Técnica de Ginecologia e Obstetrícia do Cremesp
 

Faleceu no dia 12 de maio o professor Bussâmara Neme, aos 99 anos. Nascido em Piratininga, Interior de São Paulo, no dia 9 de setembro de 1915, filho de libaneses, era uma das maiores expressões da Ginecologia e Obstetrícia brasileira. Após concluir o curso ginasial, seu pai queria que ele administrasse o estabelecimento comercial da família, mas Bussâmara resolveu seguir os passos do irmão mais velho, Feres Neme, e cursar Medicina. Assim, ingressou na Faculdade Fluminense de Medicina, na qual cursou até o quarto ano. Transferiu-se para a Faculdade de Medicina da USP (Fmusp), formando-se em 1941. Iniciou suas atividades na Clínica Obstétrica da faculdade, sob a direção do professor Raul Briquet.

Cinco anos após sua graduação, foi aprovado no concurso de livre-docência em Obstetrícia e, em 1953, em Ginecologia, ambos na Fmusp.

Foi professor da Fmusp-Ribeirão Preto, em 1958; da Faculdade de Medicina de Sorocaba (PUC), em 1964; da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), em 1966; e da FMUSP, em 1972, que chefiou e na qual se aposentou em 1985. Participou ativamente de incontáveis atividades acadêmicas e inúmeras publicações científicas, sendo o tratado de Obstetrícia Básica (1995) sua obra principal, referência nacional, adotado por gerações de médicos e estudantes.

No período entre 1970 e 1972, quando eu era estudante do 4º, 5º e 6º ano médico da Escola Paulista de Medicina (Unifesp) frequentei, como estagiário concursado (plantões aos domingos), a Casa Maternal e da Infância Leonor Mendes de Barros (da antiga LBA), dirigida pelo professor Neme naquele tempo. Tive, então, a oportunidade de conhecê-lo. Admirava seus ensinamentos, especialmente as aulas práticas de aplicação de fórcipe (ficava bravo quando escrevíamos “fórceps”), a sua orientação em nossos trabalhos científicos, as caronas que nos dava em seu majestoso Mercury Cougar, ano 1969.

Deixa a esposa Ruth, com 97 anos, sua “companheira a toda prova”, como dizia, e os filhos Eduardo Sad e Paulo Alberto, eminentes obstetra e engenheiro, respectivamente. Certa vez, o notável pensador britânico Chesterton disse: “Há grandes homens que fazem com que todos se sintam pequenos. Mas o verdadeiro grande homem é aquele que faz com que todos se sintam grandes”. Assim era o professor Neme.

 

 


Este conteúdo teve 93 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 487 usuários on-line - 93
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior