PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Álvaro Nagib Atallah


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 4)
Hospital Estadual Pérola Byington


FORMAÇÃO MÉDICA (pág. 5)
Medicina para o paciente


EXAME DO CREMESP (pág. 6)
11ª Edição


ENSINO MÉDICO (Pág. 7 a 9)
Escolas de Medicina


EPIDEMIA (pág. 10)
Aedes aegypti


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Parceria Cremesp


EU, MÉDICO (pág. 12)
Paulo Sérgio Brasil Júnior


VIOLÊNCIA (pág. 13)
Campanha conjunta


CONVOCAÇÕES (pág. 14)
Informações úteis ao profissional de Medicina


BIOÉTICA (pág. 15)
Ernesto Lippman*


GALERIA DE FOTOS



Edição 328 - 08/2015

INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 4)

Hospital Estadual Pérola Byington


Pérola Byington comemora recorde de fertilizações
no SUS

 

Além da alta taxa de sucesso nas gravidezes, hospital se destaca
pelo tratamento do câncer de mama e acolhimento
de vítimas de violência sexual


Hospital da capital paulista écentro estadual
de referência da mulher

 

O médico Mario Cavagna  mostra com orgulho as fotos dos “bebês de proveta”, dispostas no mural do quarto andar do Hospital Esta­dual Pérola Byington, em São Paulo. Ali estão os retratos de Bernardo, Ivan, Sandra, Kauê, Lavínia. O diretor do Setor de Reprodução Humana do hospital comemora o melhor índice obtido pelo serviço: neste ano, foram 41,2% de gravidezes já na primeira transferência de embrião.  No ano passado, chegou-se a 34,8%, em 423 ciclos. “Temos índices mais favoráveis que qualquer clínica particular”, compara. O médico tem outro motivo de orgulho: além da alta taxa de sucesso, todo o procedimento é feito pelo SUS, sem custo para o casal.
 

Centro de referência

Mas há outros diferen­ciais que marcam o Pérola Byington, centro de referência da mulher fundado em 1994, com seus 12 andares em operação partir de 2000. Enquanto o Setor de Reprodução Humana comemora nascimentos, os outros serviços lutam para que a vida e a dignidade das mulheres sejam respeitadas. Um deles é o tratamento do câncer de mama. O outro é o Núcleo de Atenção Integral à Mulher Vítima de Violência Sexual – Núcleo AVS –, cuja porta nunca fecha. As pacientes chegam abaladas, cheias de culpa, medo e vergonha. Uma equipe multidisciplinar foi treinada para acolhê-las em espaço reservado.

As vítimas, em geral, chegam trazidas pela polícia. Passam pelo médico,  psicólogo, assistente so­cial e perícia médica, que colherá material para o exame do DNA, usado depois para identificar e processar os culpados. Com a perícia e investigadores no local, as vítimas escapam do Instituto Médico Legal (IML), outro caminho humilhante para elas. No hospital, os  corredores e salas do serviço separam as vítimas das outras pacientes.
 

Vítimas adolescentes

De 1994 a 2014, o Núcleo AVS atendeu quase 40 mil vítimas, dez a cada dia –  um número muito abaixo da realidade, já que menos da metade dos casos são denunciados. Outro dado assustador é a porcentagem de adolescentes e crianças entre as vítimas: do total de casos, 40,8% têm menos de 14 anos, 30,5% são adolescentes e 28,6%, mulheres adultas.  Entre 2000 e 2003, as mulheres eram maioria. “O número de crianças e adolescentes vem crescendo rapidamente”, diz Luiz Henrique Gebrim, diretor do hospital. Entre as crianças, 30% são do sexo masculino.  No mesmo andar do atendimento foi instalada uma brinquedoteca, uma tentativa de reduzir o trauma do abuso que as crianças sofreram.

O Núcleo AVS se vale de outros cuidados para proteger a intimidade e a vida das vítimas. Duas viaturas da Polícia Civil foram pintadas de branco, de forma que quando a mulher chega ao hospital, ou é levada para casa, o veículo se pareça com uma ambulância. Assim não chama a atenção quando chega ao hospital e, especialmente, quando leva a vítima para casa.

 “Cuidamos para que as mulheres sejam respeitadas e protegidas”, diz Jef­ferson Drezett, responsável pelo Serviço de Violência Sexual e Aborto Legal.  Esses cuidados estão longe de serem seguidos nas dependências da polícia: “em muitas delegacias, elas são humilhadas e esperam por horas”, diz o médico.
 

Estupro e aborto legal

Junto com a violência e a humilhação do estupro, as mulheres carregam a ameaça de uma gravidez e de infecções por doenças sexualmente transmissíveis, entre elas o HIV, hepatites e sífilis. Seguindo o protocolo, o médico indica o tratamento e cuidados a serem adotados. A gravidez resultante de estupro é uma das situações que permite o aborto por lei. E quase todas as mulheres optam pela interrupção da gravidez, dizem os médicos.

De 1994 a 2014, foram 1.329 abortos legais decorrentes de estrupo no Pérola Byington. Em 2014, somaram 178, um a cada dois dias, volume 23,1% superior a 2013.

O Projeto Bem-Me-Quer, como o programa do Núcleo AVS é batizado, ganhou prêmios internacionais, entre eles do Banco Mundial e da Organização Mundial da Saúde.  O projeto é referência para países da América Latina e Caribe
 

Câncer de mama

Numa única sala e na mesma consulta, as pacientes do Pérola Byington com suspeita de câncer de ma­ma passam por todos os exames, inclusive a biópsia. Caso a suspeita se confirme – e se for necessária –, a cirurgia é marcada e realizada em 20 dias. O percurso todo, da suspeita à cirurgia, é feito em 32 dias – metade do tempo preconizado pelo Ministério da Saúde e inferior aos seis meses de espera, como ocorre em outros hospitais do País. “A mulheres chegam a estranhar os cuidados e a rapidez do tratamento”, diz Jorge Shida, diretor da Mastologia do Pérola Byington.

Não se trata só de reduzir os transtornos dos deslocamentos e a angústia da espera. O resultado é um aumento importante das chances de cura.  Para as pacientes em estágios avan­çados, a sobrevida em dez anos é de apenas de 30%. Nos estágios iniciais, pode chegar a 80%. Na média, a sobrevida no Pérola Byington é de 70%. A intenção é chegar a 90%, índice dos melhores centros do mundo.

Para atingir esse patamar, é preciso que todas as mulheres façam mamografia regularmente. Iniciando o tratamento logo no início, elas têm 70% de cura. Em 60% desses casos, não há necessidade de retirar a mama.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), neste ano são 57,1 mil casos novos no País, com 13,3 mil mortes. Na Grande São Paulo, são 6 mil casos, metade deles atendidos por convênios médicos. Os outros 3 mil chegam para o SUS. Desses 1,3 mil são tratados no Pérola Byington.


Este conteúdo teve 880 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 231 usuários on-line - 880
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior