PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Bráulio Luna Filho, presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Álvaro Nagib Atallah


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 4)
Hospital Estadual Pérola Byington


FORMAÇÃO MÉDICA (pág. 5)
Medicina para o paciente


EXAME DO CREMESP (pág. 6)
11ª Edição


ENSINO MÉDICO (Pág. 7 a 9)
Escolas de Medicina


EPIDEMIA (pág. 10)
Aedes aegypti


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Parceria Cremesp


EU, MÉDICO (pág. 12)
Paulo Sérgio Brasil Júnior


VIOLÊNCIA (pág. 13)
Campanha conjunta


CONVOCAÇÕES (pág. 14)
Informações úteis ao profissional de Medicina


BIOÉTICA (pág. 15)
Ernesto Lippman*


GALERIA DE FOTOS



Edição 328 - 08/2015

EU, MÉDICO (pág. 12)

Paulo Sérgio Brasil Júnior


Médico ex-obeso vira maratonista

Paulo Sérgio Brasil Júnior usou sua experiência pessoal para impulsionar a carreira na Medicina Esportiva e auxiliar outros gordinhos


Brasil: "perder peso é retomar a rédea da vida.
A saúde não é só ausência de doença, é qualidade de vida"

 

As experiências da vida pessoal influenciaram totalmente as escolhas do universo profissional do médico Paulo Sérgio Brasil Júnior, de 36 anos, hoje com 7 meias­ maratonas, uma maratona e uma prova de triátlon no histórico esportivo. Quatro anos atrás, ele passava dos 112 quilos – pelo menos até janeiro de 2011, quando parou de se pesar.

“Fui um menino bem magrinho. Daqueles que a mãe levava ao pediatra para tomar vitamina. Mas, durante a faculdade de Medicina, é comum engordar.  São noites sem dormir estudando, sem comer direito. Entrei na faculdade com 42 quilos e acho que cheguei a quase 120”, conta, considerando que o erro alimentar, aliado aos excessos – inclusive da carga horária da profissão –, ocasio­naram o ganho de peso.

A transformação veio no que ele interpreta como fundamental para o emagrecimento: um acontecimento marcante e pessoal, que alerte o obeso e o faça buscar por mudança. Em seu caso, o baque veio em uma tarde de domingo, quando manifestou a vontade de se juntar às crianças da família, que brincavam na grama. A cunhada duvidou que ele conseguisse. Sua fala foi certeira e, segundo ele, atingiu diretamente seu ego. “Na infância, minha mãe dizia que eu tinha “febre olímpica” porque não parava, era esportista. E, na faculdade, fui campeão em diversas modalidades”, relata.

“Foi então que decidi mudar. Primeiro, fiz como todo mundo: fui para a academia, para a esteira. Sabe quanto tempo eu caminhei? Trinta segundos”, confessa o médico. Logo na primeira tentativa, machucou a canela. Assim, passou a estudar as dores que tinha e seu ritmo de emagrecimento, para levar os exercícios adiante.

Os treinos e estudos em sua busca pessoal foram compartilhados no blog De médico, atleta e gordo, todos temos um pouco (http://demedicoatletaegordo.blogspot.com.br/), iniciado como um diário, por sugestão de seu pai. Todavia, poucos dias depois, o endereço já apresentava 30 mil acessos.

“Cerquei-me de pessoas que pudessem me orientar, fiz uma pós-graduação em Medicina Esportiva e faço parte da Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva. Estou apenas aguardando o congresso em outubro para obter meu título. Tudo isso mudou tanto minha vida que passou a fazer parte da minha atividade profissional”, diz Brasil. Atualmente ele conta com uma nutricionista e um personal trainer – também seu orientador de corrida – que o acompanham no que ele considera sua “luta eterna”, a briga contra a balança.

 

Experiências

Formado em Medicina em 2007, pela Universidade Federal do Amazonas, Brasil trabalhou, logo após a faculdade, cerca de nove meses no interior do Amazonas, vendo de perto a realidade difícil de muitos em seu Estado de origem.

Quando chegou a São Paulo, para trabalhar no hospital Santa Marcelina e no atendimento no Programa Saúde da Família, o médico não se surpreendeu com a periferia paulistana. “No interior do Amazonas já fiz pré-natal de menina de 13 anos, grávida e sozinha, que precisava subir as rampas das casas de palafita sobre o rio, não havia escada. Lá, a criança entra no consultório e fica empurrando a cadeira porque ela não conhece o que é um móvel. É a extrema pobreza, a necessidade, e sem uma política pública voltada para eles. Eu não me assustei com São Paulo, mas é claro que lá, anos atrás, não tinha drogas nem o crime organizado como aqui”, compara.

Depois de atender em bairros da Capital, como Guaianazes, São Miguel Paulista e Cidade Tiradentes, o médico está atuando apenas na cidade de Mogi das Cruzes (SP), onde mora e trabalha em uma clínica e em hospitais da região. A mudança no endereço profissional se deu pelo nascimento de sua primeira filha, que completa dois meses de idade. “Com a rotina corrida de todo médico, se eu estivesse trabalhando longe, não teria chances de acompanhar esses primeiros momentos de vida dela. Filho é uma mudança absurda na vida, e vale muito a pena”, diz Brasil, emocionado.

 


Cultura dos bons hábitos

Após um período buscando a melhor forma de atingir seu peso, depois de já perdidos 22 quilos, em 2013, Brasil e uma amiga decidiram se ajudar compartilhando seus esforços em um grupo no Facebook. “Eu não sabia que tinha que tornar o grupo de discussões fechado. Colocávamos lá, livremente, todas as nossas dificuldades e dicas. Então, algumas pessoas foram acessando e começou o projeto Carcará”, explica. Ele não participa mais do grupo, mas diz que fez amigos e viu histórias fantásticas no espaço.

No Sistema Único de Saúde (SUS), Brasil trabalhou em um projeto dedicado à obesidade e sobrepeso, no qual um grupo de profissionais realizava atendimento preventivo com análise das medidas corporais, peso e exame de vitamina D, além de orientações de alimentação, como substituições práticas de alimentos para outros mais saudáveis.

O médico sabe que precisa entender o paciente, mais do que apenas clinicamente, para conseguir o tratamento ideal e que ele o siga. “Sei que os pacientes passam por muitos traumas. Eu fui um jovem atleta, saudável, enquanto muitos sofrem preconceito dos próprios pais, pois foram crianças obesas, adolescentes gordos”, destaca.

“Perder peso é retomar a rédea da vida. A saúde não é só a ausência de doença, é a qualidade de vida, o bem-estar físico e mental e ter hábitos mais saudáveis. Entre as coisas que você deve deixar para seu filho está o legado alimentar, dos bons hábitos. Tudo isso é saúde. E é o que eu faço para mim e para os outros”, afirma.


Este conteúdo teve 101 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 105 usuários on-line - 101
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior