PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL (pág. 2)
Mauro Aranha - Presidente do Cremesp


ENTREVISTA (pág. 3)
Rosa Maria Marques


INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 4)
Hospital Municipal Dr. Moisés Deutsch


HOMENAGEM 50 ANOS (pág. 5)
Solenidade


SUS (Pág. 6)
Debate


ALERTA TERAPÊUTICO (pág. 7)
Sífilis


DEPENDÊNCIA QUÍMICA (págs. 8 e 9)
Cannabis


ÉTICA MÉDICA (pág. 10)
Cobirp


AGENDA DA PRESIDÊNCIA (pág. 11)
Filosofia, Psiquiatria e Psicologia


EU, MÉDICO (pág.12)
Domingo Braile


JOVENS MÉDICOS (pág. 13)
Bolsas de RM


CONVOCAÇÕES (pág. 14)
Editais


BIOÉTICA (pág. 15)
Discriminação


GALERIA DE FOTOS



Edição 342 - 11/2016

INSTITUIÇÕES DE SAÚDE (pág. 4)

Hospital Municipal Dr. Moisés Deutsch


M’Boi Mirim reduz espera por cirurgias adotando
métricas de qualidade


O hospital tem baixa rotatividade de profissionais, treinamento contínuo e participação de usuários na gestão


Hospital M'Boi Mirim é referência na região da extrema
Zona Sul da Capital

 

Quando o Hospital Municipal Dr. Moisés Deutsch (mais conhecido como M´Boi Mirim) foi criado, em 2008, já se imaginava o tamanho do desafio que teria pela frente. De um lado, o hospital nascia encravado em bairros com alto índice de violência e grande número de jovens, os Jardins Ângela e São Luís; e à beira da estrada que leva seu nome e que, ao longo dos seus 16 km de extensão, é uma das vias campeãs em acidente. M´Boi Mirim quer dizer “rio das cobras pequenas”, na linguagem indígena. De outro lado, o hospital chegava com a missão de ser referência para 3,5 milhões de moradores da extrema Zona Sul da Capital.

Nesse curto espaço de tempo, o hospital conseguiu mais do que ser a porta de entrada de urgência e emergência para uma das regiões mais carentes de serviços de São Paulo. Ainda assim, mesmo com a abertura de seus 240 leitos, a Zona Sul tem hoje 0,3 leitos por 1 mil moradores, dez a 15 vezes menos do que preconiza a Organização Mundial de Saúde (OMS). “É a densidade mais baixa de leitos da cidade”, afirma Antonio Bastos, diretor do M´Boi Mirim.


Conquistas
Apesar do cenário adverso, Bastos destaca que, mesmo se dedicando à urgência e emergência, o hospital aderiu ao Projeto Eletivas, um programa da Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo (SMS-SP) para reduzir a espera pelas cirurgias, que se prolongava por mais de dois anos. Só de janeiro a agosto deste ano, o hospital fez 2.120 dessas operações. “Um feito incomum para um hospital com alta taxa de ocupação em uma região com baixíssimo número de leitos”, diz o diretor. A julgar por pesquisa feita pelo hospital, pacientes que passaram pelas cirurgias aprovaram o atendimento:  97% deles disseram que o médico esclareceu as dúvidas, 100% gostaram do atendimento da equipe e 97% indicariam o hospital para outras pessoas.

O M´Boi Mirim se tornou o primeiro hospital municipal do País a conquistar a acreditação nível 3, de  Excelência em Gestão, concedido pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), em 2012. Bastos também cita a baixa rotatividade dos profissionais, o treinamento contínuo da equipe médica, além de um Conselho Gestor da Comunidade, com representantes dos moradores.

Metas
Para o diretor, isso é decorrência de dois fatores-chave para uma gestão eficaz e humanizada. Um deles é o compromisso com os valores da instituição, como “ética, transparência, qualidade e respeito”. O outro é o contrato de gestão assinado entre o hospital, a SMS-SP e a Organização Social de Saúde (OS) Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (Cejam), que mantém parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein.

“O contrato de gestão estabelece metas de produção e de qualidade que têm a ver com o perfil populacional e a capacidade instalada do hospital, e que implicam corte nos repasses, se não forem atingidas”, conta Bastos. Por exemplo, o hospital deve realizar 1.320 internações por mês e um mínimo de 16 mil atendimentos no pronto-socorro, além de determinado volume de cirurgias, de exames diagnósticos, entre outras métricas. Do contrário, o hospital pode deixar de receber, por exemplo, 10% dos repasses estabelecidos.

Há também as metas qualitativas, como a exigência de haver uma comissão de infecção hospitalar ativa, que emita relatórios; uma comissão de prontuários, que faça revisão quantitativa e qualitativa dessas informações; resumos de alta; e apontamento das cesáreas.

Tão importante quanto as metas de gestão é o fato de toda a administração do hospital ser guiada por um programa de acreditação, o que implica ter mé­tricas de qualidade, ações de melhorias e planos de trabalho com a segurança do paciente. “Temos um sistema de notificação para eventos adversos e um comitê de segurança, que discute sobre a liderança e os profissionais”, afirma.

Desde 2010, o Hospital M’Boi Mirim mantém  estágio para 15 especialidades no formato de Residência Médica SUS e Hospital Albert Einstein. Os residentes dividem o tempo entre a atenção básica e o aten¬dimento hospitalar. Nesse período, 80 residentes se formaram.

 



Baixa rotatividade de médicos

As queixas comuns de hospitais de periferia sobre a dificuldade de contratação e fixação de médicos não encontra eco no M’Boi Mirim. Lá, a rotatividade dos médicos em 2012 era de 44%, ou seja, quase metade da equipe era trocada em um ano. Mas de janeiro a setembro deste ano, a taxa foi de 12%. “Um aspecto importante para o médico é a estrutura. E aqui não faltam medicamentos, há manutenção preventiva de equipamentos, a equipe de cirurgia conta com laparoscópios e o corpo clínico se reúne a cada dois meses para discutir eventos adversos”, diz Antonio Bastos, diretor do hospital.

Outro fato que contribui para fixar a equipe, segundo o diretor, é o Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), que fica atento ao clima e movimento das pessoas nas salas de espera, especialmente de urgência e emergência, espaços, em geral, onde mais ocorrem violências contra a equipe médica. Além de receber as reclamações como uma ouvidoria local, o SAU tem um trabalho preventivo. “Se no pronto-socorro está havendo uma espera maior, e se notamos ali uma pessoa mais exaltada, alguém do SAU será acionado para conversar e assim evitar um possível desentendimento. É uma ação de acolhimento”, explica.

Como resultado, o número de queixas registradas é de 0,4%, ou quatro reclamações em 1 mil passagens, índice comparável a bons hospitais privados.
 
Outro mecanismo que contribuiu para o “apaziguamento” das relações entre equipe e usuários é o Conselho Gestor da Comunidade. “Prestamos contas aos conselheiros todos os meses. Compartilhamos as informações e mantemos com eles uma relação de respeito e transparência. Essas pessoas têm grande influência na comunidade, com isso, reduzimos inclusive a violência contra os profissionais”, relata.

 

 


Este conteúdo teve 701 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 170 usuários on-line - 701
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior