PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Esforço perseverante


ENTREVISTA
Ulysses Fagundes Neto


ARTIGOS
"Acupuntura no contexto médico" e "Socorro aos hospitais universitários"


MOVIMENTO MÉDICO
Mobilização Nacional contra Operadoras de Saúde


PLANOS DE SAÚDE
Principais conclusões da CPI


ESPECIAL
Residência Médica: Novos Desafios


CAMPANHA
Como proteger-se contra o álcool


GERAL 1
A questãio da revalidação de diplomas estrangeiros


NOTÍCIAS DO CONSELHO
As atribuições dos conselheiros


AGENDA
Destaque para a criação de Comissão de Estudos da Violência contra Médicos


NOTAS
Convocações & Contato


GERAL 2
De olho nos sites


MEMÓRIA
Alfredo Bruno Júnior e Ruy Ferreira Santos


GALERIA DE FOTOS



Edição 195 - 11/2003

EDITORIAL

Esforço perseverante


Esforço perseverante

"A verdadeira viagem de descobrimento não consiste em procurar novas paisagens e, sim, em ter novos olhos" - Marcel Proust

Muito se tem falado sobre a deterioração da Saúde em nosso país. Deterioração esta que afeta diretamente o trabalho dos médicos e, conseqüentemente, a saúde de nossos pacientes. Mas só falar não basta. É hora de agir, com firmeza, perseverança e a união da classe médica e suas entidades representativas. Foi esse espírito que norteou a mobilização contra os planos de saúde, ocorrida no dia 11 deste mês. Paralelamente às manifestações de médicos no Estado de São Paulo e em todo o país, as entidades médicas lançaram uma carta aberta ao presidente da República. Amplamente divulgada pela imprensa, a carta apresentou nossas propostas para o setor de saúde complementar.

A deterioração da relação médico-paciente, que tantos problemas têm causado aos médicos e aos pacientes, está associada principalmente às limitações colocadas pelos intermediários aos profissionais. A autonomia é uma condição básica para o exercício ético da Medicina e, sem ela, o médico fica exposto ao estresse e ao erro.

Não podemos aceitar que terceiros influam na relação médico-paciente que, desde Hipócrates, é o alicerce da Medicina, de suas ações e de seus resultados. É essa relação que fortalece o ato médico e torna nossa profissão mais dignificante. Quando ela se banaliza é, portanto, o próprio espírito da Medicina que se esvai; e tudo fica mais feio, mais infeliz e mais caro.

Uma boa relação médico-paciente só traz benefícios e evita eventuais problemas aos médicos que, muitas vezes, chegam a ser denunciados junto aos Conselhos Regionais de Medicina apenas porque o paciente não foi suficientemente esclarecido a respeito do ato. Muitos sofrimentos, desentendimentos e acusações podem ser evitados se médicos e pacientes dialogarem e confiarem um no outro, em cumplicidade positiva.

Más condições de trabalho geram também muitas adversidades para o exercício da Medicina. E, infelizmente, essas condições são as piores possíveis em muitos hospitais e clínicas de nosso Estado, inviabilizando o ato médico em sua plenitude e levando riscos à saúde dos pacientes. O Cremesp, por meio de nosso Departamento de Fiscalização, está sempre apontando as falhas onde elas existem, comunicando-as às autoridades de Saúde e cobrando as soluções.

Melhorar as condições de trabalho dos médicos e a atenção à saúde da população devem ser prioridades dos governos em suas diferentes esferas. Os médicos não podem exercer plenamente sua profissão em locais onde faltam, muitas vezes, equipamentos básicos. É a saúde e a vida das pessoas que estão em jogo e não se deve economizar esforços no sentido de melhorar, cada vez mais, os hospitais e clínicas de nosso Estado e de nosso país.

A educação médica deficiente também traz conseqüências ruins tanto para os próprios médicos como para os pacientes. A abertura indiscriminada de escolas médicas tem aumentando sensivelmente essa deficiência. É grande o número de recém-formados que entram no mercado de trabalho sem estarem suficientemente preparados para exercer a Medicina. As conseqüências são desastrosas: mais sofrimentos, processos, desentendimentos, seqüelas, mortes...

O Cremesp tem atuado, juntamente com as demais entidades médicas, nesse sentido, pois trata-se de mercantilismo puro. São escolas que não estão preocupadas com a formação de bons médicos mas com as elevadas mensalidades que cobram. Isso é inadmissível.
Todos esses temas estão norteando nossa atuação à frente do Conselho. Com diálogo, firmeza nas ações, união e tenacidade haveremos de fazer de temas tão inóspitos uma agenda positiva para os médicos e para a sociedade.

Rumo à ordem e à Ordem!

Clóvis Francisco Constantino
Presidente do Cremesp


Prorrogado prazo para justificar ausência de voto

Informamos aos médicos do Estado de São Paulo que o prazo para justificar a abstenção de voto nas eleições Cremesp, que ocorreram em agosto passado, foi prorrogado de 31 de outubro de 2003 para 31 de dezembro de 2003, de acordo com deliberação deste Conselho. Após esta data, será aplicada multa definida na lei nº 3268/57 e pela Resolução CFM nº 1660/2003, calculada de acordo com a Nota Técnica CFM nº 119/2003.

As justificativas de ausência de voto podem ser feitas pelo e-mail sap@cremesp.org.br; por fax: (11) 3231-1745; via correio (carta postada); ou, ainda, ser entregues pessoalmente na sede do Cremesp (Rua da Consolação 753, São Paulo/Capital) ou nas delegacias regionais da capital e do interior.

Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo
(Plenária nº 3041 de 11 de novembro de 2003)


Este conteúdo teve 511 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 169 usuários on-line - 511
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior