PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
Honorários


NOTÍCIAS DO CONSELHO
Explicando as Anuidades


SAÚDE SUPLEMENTAR
Planos de Saúde: mudanças em 2004


MOBILIZAÇÃO
Implantação da CBHPM exige nova data de Mobilização em todo país


ENTREVISTA
Eduardo Jorge: "O SUS é uma das últimas utopias"


CONTROLE SOCIAL
12ª Conferência Nacional de Saúde


ESPECIAL
A Humanização do SUS


SAÚDE DA MULHER
Mortalidade Materna


NOTÍCIAS DO CONSELHO
Delegados do Cremesp no Interior


GERAL
Planejamento Estratégico 2004 e De Oho nos Sites


AGENDA
Encontros aproximam o Cremesp da classe médica


NOTAS
Alerta Ético


HISTÓRIA
Walter Leser


NATAL
Árvore de Natal, por Guido Palomba


GALERIA DE FOTOS



Edição 196 - 12/2003

NATAL

Árvore de Natal, por Guido Palomba


Árvore de Natal

Guido Arturo Palomba*



Mais um Natal chegou, dia do nascimento de Cristo, cuja celebração iniciou-se somente por volta do ano 300, em princípio em datas díspares, depois, oficialmente, em 25 de dezembro.



A história registra as mais diversas formas de cultivar a data: missa solene, reuniões familiares, ceia, Papai-Noel, troca de presentes, orações. Entretanto, o símbolo do Natal cristalizou-se em torno do pinheiro enfeitado: a Árvore de Natal.

Segundo a lenda, um jovem de nome Bonifácio, há 1.200 anos, viajando pelo norte da Alemanha, deparou-se com terríveis Druidas ao pé dum carvalho onde iam sacrificar o príncipe, denominado Astolfo, em culto ao deus Thor.

Os carvalhos eram árvores sagradas, às quais devotavam muito respeito e veneração, por nascer nelas o visco, que colhiam com grandes cerimônias, pois era um dos mais preciosos dons do céu. Entretanto, Bonifácio, impelido pelo risco iminente do sacrifício do príncipe, derrubou o carvalho, para espanto e fuga dos bárbaros sacerdotes.

No lugar nasceu um pinheiro, que passou a ser árvore sagrada, cuja madeira poderia ser utilizada para construir casas, dando abrigo e paz. O pinheiro, por isso, tem significado simbólico coletivo, de união, de mesma morada para todos.

Embora o culto do Natal seja de origem cristã, é relativo aos homens, sejam quais forem os seus credos e religiões. É uma data ecumênica, universal, propícia ao aperto de mão, data da fraternidade, do abraço nos amigos, nos familiares, nos nossos próximos.

Para nós médicos, que felizmente estamos todos sob a mesma morada, que a Árvore de Natal nos traga alegria, renove as esperanças no bom futuro e, no exercício da nossa profissão, nos traga vitórias sempre crescentes na luta contra a doença e a morte.


Feliz Natal!

* Guido Arturo Palomba é Presidente da Academia de Medicina de São Paulo


Este conteúdo teve 366 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 7h às 21h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 362 usuários on-line - 366
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior