PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
A Torre de Babel e a saúde do brasileiro


ENTREVISTA
Edson de Oliveira Andrade


CLASSE MÉDICA EM MOVIMENTO 1
A defasagem nos honorários


MERCADO DE TRABALHO
Confira salários pagos pelas maiores prefeituras


CONSELHO
Anuidade de Pessoa Jurídica


ATIVIDADES
Cremesp lança campanha de rádio em defesa da Saúde


CLASSE MÉDICA EM MOVIMENTO 2
Exame de Habilitação Profissional


CLASSE MÉDICA EM MOVIMENTO 3
Os rumos da Medicina e das políticas de saúde no país


RESOLUÇÃO
Não há parto sem risco


BIOÉTICA
Fórum do Cremesp analisa criação do Conselho Nacional de Bioética


SERVIÇOS E AGENDA
Destaque para o Guia de Serviços do Cremesp


NOTAS
Alerta Ético sobre Descanso Médico


PARECER
Retenção de maca em ambulância. Quem responsabilizar?


HISTÓRIA - HOMENAGEM
Luiz Carlos Raya


GALERIA DE FOTOS



Edição 207 - 11/2004

ENTREVISTA

Edson de Oliveira Andrade


“Regulamentar a profissão é uma de nossas prioridades”

Presidente do Conselho Federal de Medicina (CFM) há cinco anos, Edson de Oliveira Andrade foi reeleito este ano como representante do Estado do Amazonas naquela entidade e reconduzido à presidência. Com o conhecimento da categoria médica de todo o país acumulado durante esse período, ele analisa as principais pautas do movimento médico brasileiro, citando a regulamentação da profissão – por meio da aprovação do projeto de lei do Ato Médico – como uma das principais. Nesta entrevista ao Jornal do Cremesp, Edson, que é pneumologista, fala também sobre a CBHPM, escolas médicas, entidade única, entre outros temas importantes. Confira, a seguir:

Jornal do Cremesp – O senhor está assumindo sua segunda gestão à frente do CFM. Quais as prioridades do movimento médico, na sua opinião?
Edson –
Os médicos deram um recado muito claro nessa eleição, em nível regional e na própria eleição do CFM: além de continuar, é preciso aprofundar a política de unidade das entidades que estamos desenvolvendo. Isto ficou muito aparente na medida em que os Conselhos tiveram pouca renovação, o que significou uma aprovação das gestões, mas não que estejamos totalmente corretos, nem que não precisemos fazer modificação de rumo. Nossa realidade é dinâmica e nos obriga a avaliar todos os dias os caminhos que estamos percorrendo.
 
JC – O movimento médico tem várias pautas importantes. Quais o senhor considera prioritárias?
Edson –
São as pautas que aprovamos no 10º Encontro Nacional de Entidades Médicas (ENEM). Uma das principais é a luta pela regulamentação da profissão, por meio da aprovação do projeto de lei do Ato Médico. É um direito nosso ter nossa profissão regulamentada. Outra pauta é a discussão pela qualificação do ensino médico, que passa necessariamente pelo debate da abertura irresponsável de novas escolas de Medicina. Nós não somos, a priori, contrários à abertura de novos cursos, mas claramente contrários à abertura de escolas sem necessidade e, principalmente, sem qualificação, como acontece hoje. Isso é um desrespeito para com a nossa juventude e com quem deseja ser médico. É, sobretudo, um imenso perigo, a médio e longo prazos, para toda a população brasileira, que poderá ter ao seu dispor profissionais questionados quanto à sua formação. Outra prioridade é a implantação da CBHPM, uma construção ética e tecnicamente bem feita.

JC – Há também a intenção de lutar pela CBHPM no SUS?
Edson –
Evidentemente, nós queremos que a Classificação seja, posteriormente, estendida ao SUS. Se os planos e seguros de saúde respondem por 20% ou 30% da população brasileira, os outros 70% estão dentro do SUS. É o grande plano de saúde dos brasileiros e precisa ser cada vez melhor, mais competente e eficiente, tratando adequadamente não apenas dos seus pacientes, mas também dos seus trabalhadores e, entre estes, os médicos. O SUS precisa ter um plano de carreira para os médicos, que busque a superação de algumas dificuldades históricas como, por exemplo, a locação de médicos no Interior – e não por meio do equívoco de achar que se a região X ou Y precisa de um médico, abre-se, então, uma faculdade de Medicina lá. Não é assim que vamos fixar médicos nessas regiões mais difíceis. O que vai garantir a assistência médica que, obviamente, essas regiões necessitam, é uma estrutura de recursos humanos para o médico ir para lá sem se sentir um desterrado da civilização.

JC – Como o senhor vê a criação de uma entidade médica única?
Edson –
Essa discussão sobre a entidade única começou dentro do movimento associativo e de Conselhos. Hoje o movimento sindical também está sendo chamado a participar, o que é muito importante, mas a idéia inicial é unir AMB e CFM, pois os sindicatos têm uma existência legal bem definida. A idéia é ter uma entidade política e estruturalmente mais forte, que nos permita otimizar os recursos, com o menor custo possível para o médico, que não precisará de duas, três ou quatro entidades. Ele pagará uma contribuição menor do que paga atualmente para várias entidades.

JC – O exame de habilitação – ou “Exame de Ordem” –  para os recém-formados está sendo muito debatido neste momento, mas é ainda bastante polêmico. Qual sua opinião a respeito?
Edson –
O exame de Ordem é uma questão antiga e é realmente polêmica. Pessoalmente, estou convencido de que não é uma panacéia, mas se bem discutido e realizado pode contribuir. O exame não pode ser visto na perspectiva de controle de mercado, mas de uma qualificação da formação médica. Claro que, na medida em que se cria um mecanismo para verificar a qualificação, há, obviamente, uma regulação do mercado. É, portanto, algo complexo, que precisa de ampla discussão. O Conselho Federal de Medicina vai promover essa discussão com a tranqüilidade e a responsabilidade que o tema exige.

JC – Atualmente, a educação continuada é outro tema do movimento médico. Como o CFM pretende atuar em relação a esta questão?
Edson –
Existem funções naturais e importantes no Conselho. Manter o médico atualizado é um requisito básico para qualquer exercício ético da Medicina, mas o CFM não retirou, na gestão que terminou, nem o fará nesta que se inicia, a competência das Sociedades de Especialidades de realizar essa tarefa. São elas que, historicamente, têm interesse e trabalho na atualização profissional dos médicos. Nem mesmo as escolas médicas fazem esse trabalho adequadamente. A função do CFM nesse caso será de ajudar ao máximo as Sociedades, para que elas continuem a fazer isso com a maior competência possível, como já o fazem.

JC – A Frente Parlamentar de Saúde tem sido uma parceira importante do movimento médico?
Edson –
Uma das coisas gratificantes que fizemos foi ampliar a presença do CFM e da AMB no Congresso Nacional, diria mesmo que levamos nossas entidades até lá, pois não contávamos até então com uma ação muito clara naquela Casa legislativa. Isso é fruto da parceria com a Frente Parlamentar de Saúde que, seguramente, é a mais atuante e de maiores resultados no Congresso. É uma Frente naturalmente suprapartidária, porque a saúde não tem dono, é de todos nós brasileiros. E a Frente Parlamentar de Saúde luta por isso com muita competência e responsabilidade. Juntamente com ela, vamos conseguir muitas vitórias não só para nós, médicos, mas para toda a população.              

JC – O Cremesp tem participado de todas as pautas do movimento médico. O que o senhor acha do papel que o Cremesp vem desempenhando?
Edson –
O Cremesp e os demais Conselhos têm participado ativamente. O Cremesp sempre foi muito atuante. Sua capacidade de fazer as coisas acontecerem é muito grande, associada ao fato de um terço dos médicos brasileiros estarem no Estado de São Paulo. Não é fácil administrar um Conselho com essa dimensão e em São Paulo funciona, tanto do ponto de vista administrativo, quanto do judicante. O Cremesp é extremamente atuante na defesa da ética, com uma produção, trabalho e uma responsabilidade que se destacam em nível nacional. Além de tudo isso, está sempre à frente das questões políticas da saúde, posicionando-se de maneira muito clara, diferenciada e estimulando as discussões. Esse é o Cremesp, que serve de espelho para outros Conselhos no Brasil, pela sua capacidade de superar dificuldades, qualidade de seu trabalho e pelo próprio gigantismo do Estado e de sua categoria médica.


Este conteúdo teve 643 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 8h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h

CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 399 usuários on-line - 643
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior