PESQUISA  
 
Nesta Edição
Todas as edições


CAPA

EDITORIAL
A Saúde no Brasil. Como evitar os constantes "apagões" no setor?


ENTREVISTA
Antonio Carlos Lopes faz um RX da Residência Médica no país


ATIVIDADES DO CREMESP 1
Exame para recém-formados em Medicina: é hora de começar a discussão sobre o ensino médico no país


EDUCAÇÃO MÉDICA CONTINUADA
Módulos de Educação Médica Continuada agora podem ser acessados pela internet


ATIVIDADES DO CREMESP 2
Acompanhe os temas abordados no Encontro Nacional dos CRMs, realizado em Brasília


MOVIMENTO MÉDICO
Oficinas de trabalho preparam questões para o próximo ENEM


ATIVIDADES DO CREMESP 3
Encontrar respostas... este foi o maior desafio do II Congresso Paulista de Ética Médica


ATUALIZAÇÃO
Hepatite C: 3 a 4 milhões de brasileiros estão infectados


GERAL 1
Moacyr Scliar abrilhanta evento que homenageou as médicas do Estado


GERAL 2
Em destaque, a posse da nova diretoria da Sociedade Brasileira de Radiologia


ACONTECEU
Confira a participação do Cremesp em eventos relevantes para a classe


ALERTA ÉTICO
Dúvidas relacionadas ao plantão? Veja respostas a duas perguntas comuns...


GERAL 3
Financiamento p/o setor da Saúde é pauta de reunião na Câmara


HISTÓRIA
Complexo Hospitalar do Mandaqui: considerado um centro de formação médica


GALERIA DE FOTOS



Edição 236 - 04/2007

EDITORIAL

A Saúde no Brasil. Como evitar os constantes "apagões" no setor?



Devemos evitar o “apagão” da saúde

A Saúde no Brasil convive constantemente com “apagões”. Basta ligar a TV ou  abrir um jornal que está lá o “apagão” das filas, da peregrinação em busca de atendimento, do sucateamento da rede física e dos equipamentos


O termo “apagão” já foi incorporado à cultura e ao vocabulário nacional desde a crise que em 2001 impôs a todos os brasileiros a escuridão e o racionamento de energia elétrica. Mais recentemente foi a vez do “apagão” aéreo, que ainda afeta os aeroportos e as pessoas que dependem de avião.

Diante de tantas deficiências, desvios e omissões na execução das políticas públicas é triste constatar que, se atitudes urgentes não forem tomadas em áreas vitais para a sociedade, a exemplo da saúde, a população estará sempre sujeita a riscos e prejuízos.

O sistema público de saúde brasileiro tem muitos méritos, embora padeça do problema crônico de financiamento insuficiente, piorado com a não regulamentação da Emenda Constitucional 29. Diante dos recursos escassos – R$ 1,00 por dia para cada habitante – o SUS se esforça para dar conta das ações de prevenção, vigilância e assistência, das quais dependem a imensa maioria dos brasileiros.

A Saúde no Brasil convive constantemente com “apagões”. Basta ligar a TV ou abrir um jornal que está lá o “apagão” das filas, da peregrinação em busca de atendimento, do sucateamento da rede física e dos equipamentos, da falta de profissionais, da longa espera por cirurgias e internações, da escassez de leitos de UTIs, da superlotação dos prontos-socorros, do estrangulamento dos serviços de urgência e emergência.

Existe também o “apagão” da atenção básica, que fecha as portas do SUS para milhões de cidadãos que nem sequer conseguem ter acesso a consultas, exames e serviços elementares; o “apagão” da assistência farmacêutica, que nega acesso até a medicamentos essenciais; o “apagão” da prevenção, que não se antecipa aos problemas de saúde da população e paga caro depois pela medicina curativa; o “apagão” das Santas Casas, que nunca viveram momento tão precário; o “apagão” da saúde suplementar, que permite que os planos de saúde continuem a explorar o SUS, a prestar serviços de má qualidade, a impor restrições de coberturas de toda ordem e a remunerar pessimamente os prestadores de serviços.

Mas queremos enfatizar outro “apagão”, que poderá ser resultado da incompreensão quanto ao papel essencial do médico e da medicina no sistema de saúde brasileiro.

Há um movimento em curso que pretende alijar o médico de diversas de suas atribuições e competências. Não são poucas as evidências: a oficialização no SUS de terapias alternativas sem eficácia comprovada e sem a necessidade de médicos na prescrição; o enfraquecimento da Residência Médica; o preconceito e a hostilidade contra a representação dos médicos em instâncias governamentais e de controle social, como o Conselho Nacional de Saúde; a omissão da pasta da Saúde no escândalo da abertura de novas escolas médicas; a intenção do governo federal de revalidação automática de diplomas de médicos formados no exterior. Destaca-se, ainda, a remuneração aviltante dos prestadores. O SUS paga hoje R$ 2,55 pela consulta médica, e mesmo os salários de Estados e prefeituras estão defasados, o que não condiz com a atuação do médico, imprescindível, por exemplo, para o funcionamento de 64.000 unidades de saúde e 5.900 hospitais no país.

Os profissionais da saúde precisam ser reconhecidos e valorizados, devem se complementar e interagir em favor dos pacientes e da população assistida pelo SUS. Na sua posse, o ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou que uma das prioridades de sua gestão será “cuidar de quem cuida”, estabelecendo com todos os profissionais um diálogo que faça avançar a discussão da política salarial, do plano de carreiras do SUS e de melhores condições de trabalho.
 
Esperamos que o novo ministro tenha a sensibilidade de perceber os riscos dos equívocos que ultimamente foram cometidos em nome de uma falsa modernidade do sistema de saúde.



Desiré Carlos Callegari
Presidente do Cremesp



Este conteúdo teve 309 acessos.


CONSELHO REGIONAL DE MEDICINA DO ESTADO DE SÃO PAULO
CNPJ: 63.106.843/0001-97

Sede: Rua Frei Caneca, 1282
Consolação - São Paulo/SP - CEP 01307-002

CENTRAL DE ATENDIMENTO TELEFÔNICO
(11) 4349-9900 (de segunda a sexta feira, das 9h às 20h)

HORÁRIO DE EXPEDIENTE PARA PROTOCOLOS
De segunda a sexta-feira, das 9h às 18h


ESTACIONAMENTOS : NOVOS CONVÊNIOS


CONTATOS

Regionais do Cremesp:

Conselhos de Medicina:


© 2001-2020 cremesp.org.br Todos os direitos reservados. Código de conduta online. 166 usuários on-line - 309
Este site é melhor visualizado em Internet Explorer 8 ou superior, Firefox 40 ou superior e Chrome 46 ou superior